Drácula: um personagem trágico

No filme Drácula — A História Nunca Contada o telespectador assiste uma nova abordagem sobre o lendário Vlad que por sua crueldade nos campos de batalha recebeu a alcunha de o Empalador (Tepes em romeno) e inspirou o personagem Drácula. Este nome significa “filho do dragão”, mas também pode significar “filho do Diabo”. Tal apelido é dado para Vlad Tepes pelo fato dele pertencer a Ordem do Dragão (extinta ordem militar). O filme o representa como um ser trágico, pois seus percalços ressaltam a fragilidade humana diante daquilo que muitos chamam de destino. Não será tratada neste texto as diferenças ou semelhanças entre o filme e o que as pesquisas históricas afirmam sobre Vlad Tepes. Sobre isto deixei alguns links na bibliografia que me ajudaram na criação desta obra. Meu intuito ao analisar tal filme é demonstrar que raramente os acontecimentos ocorrem como desejamos, mas que devemos ser persistentes para superar as adversidades.

O filme é ambientado na Idade Média, mais precisamente no século XV durante o governo do sultão Mehmet II, o Conquistador em que este mantinha uma forte presença de forças militares do Império Otomano na região europeia dos Balcãs. No filme vemos o reino da Valáquia que é vassalo do sultão e deve pagar um tributo em ouro e prata além de dar crianças que serão transformadas em janízaros (força de elite do Império Otomano composta por garotos cristãos convertidos ao Islã e leais apenas ao sultão). Vlad foi uma dessas crianças que ao crescer se tornou um guerreiro bastante temido por seus inimigos e colegas de batalha pelo fato de empalar os prisioneiros de guerra. Após os conflitos ele volta para os seus domínios, mas a paz estava prestes a ser destruída.

Em um belo dia, Vlad e seu séquito estão cavalgando quando avistam um capacete otomano no leito do rio. Então, eles percebem que se trata de uma patrulha de reconhecimento do exército otomano com o objetivo de levantar informações para uma futura invasão, mas que foi morta por uma criatura misteriosa localizada numa caverna na Montanha do Dente Quebrado. Eles seguem para esta montanha, mas todos são mortos, exceto Vlad que consegue retornar para a entrada da caverna. Ao voltar para seu castelo, ele aprende com um monge local que o monstro era um humano que invocou o Diabo, mas que por este foi enganado e transformado num vampiro poderoso condenado a ficar na caverna até que surgisse um humano que bebesse de seu sangue para que ele pudesse ficar livre da maldição. Durante a páscoa surge no salão real um contingente otomano que exige o tributo em moedas de prata e ouro com o acréscimo de mil meninos incluindo Ingeras, filho de Vlad, para ser treinado como um janízaro visto que o sultão acredita que foi o próprio príncipe que matou a patrulha otomana. Mirena, a mãe do príncipe se desespera assim como o pai. Este, dividido entre os deveres reais e paternos opta pelo último e mata os emissários de Mehmet II enviados para buscar o garoto. Tal ação traz a guerra e Vlad ruma mais uma vez para Montanha do Dente Quebrado em busca de esperança. Na caverna ele estabelece um diálogo com o vampiro que revela como derrotar os invasores. Para que tal intento seja atingido Vlad deve beber o sangue do vampiro e resistir durante três dias à tentação de beber sangue, caso consiga ele voltará a ser humano, mas se falhar será para sempre um vampiro e um dia será chamado pelo seu mentor para ajudá-lo na vingança contra o Diabo. Então, o vampiro quebra um crânio humano e derrama o próprio sangue no osso parietal para ser bebido por Vlad. Este depois de beber adquire poderes fantásticos como força sobre-humana, controle sobre morcegos e forças da natureza. Contudo, ele só pode agir durante a noite o que limita seus ataques contra o exército otomano. Este sob as ordens do próprio sultão Mehmet II ataca o mosteiro em que a família de Vlad se encontra o que não passa de uma distração, pois enquanto Drácula enfrenta soldados em campo aberto, um grupo de militares otomanos se infiltra no mosteiro e matam muitas pessoas que lá se encontravam além de capturar Ingeras e provocar a morte de Mirena. Esta implora ao marido para que ele beba de seu sangue, pois somente assim ele terá poderes suficientes para salvar o filho.

E é neste momento que vemos a trágica condição do protagonista do filme que deve escolher entre continuar humano por mais um dia ou ser um vampiro e salvar o filho, mas se condenar eternamente. Depois de tomar o sangue da esposa ele se transforma em um vampiro e o outro sai da caverna rejuvenescido e satisfeito por tudo ter saído como previra. Drácula transforma algumas pessoas em vampiros e se direciona ao acampamento otomano no qual ele trava uma luta acirrada contra Mehmet II que culmina na morte deste. No final do filme Vlad retira as nuvens negras do céu e mata todos os vampiros incluindo ele que estava no acampamento militar para salvar o filho que depois é coroado rei da Valáquia. Entretanto, o corpo de Drácula que outrora foi carbonizado pela luz solar é levado por Shkelgim, um humano que deseja ser servo do vampiro, e o revive ao derramar o próprio sangue nos lábios de seu novo mestre. O filme termina com Vlad nos dias atuais em Londres e nas ruas desta metrópole encontra uma mulher de nome Mina muito semelhante à Mirena, então os dois saem para se conhecerem melhor enquanto o telespectador vê o vampiro que foi liberto por Vlad que observa o novo casal e diz: “Que os jogos comecem”.

O que se nota no filme é que por mais que o ser humano tente ser o único responsável pela própria vida há sempre agentes externos que fazem a pessoa mudar de planos e se adaptar a novas condições. Vlad é mais um que se une a personagens trágicos como Gilgamesh e Fausto e uma miríade de humanos reais que julgam ser totalmente livres e senhores do próprio destino, mas são condicionados pelas escolhas que surgem, por demônios, deuses, ideologias políticas ou sistemas econômicos. O que Drácula — A História Nunca Contada revela é que a vida não é 100% como nós queremos, mas que temos de nos adaptar e lutar pelo que julgamos certo para que a vida seja ao menos 99% do que desejamos que ela fosse.

Texto escrito por Mário Pereira Gomes

Bibliografia:

Livros:

A EPOPEIA de Gilgamesh. 3. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2011.

GOETHE, Johann Wolfgang von. Fausto: texto integral. São Paulo: Martin Claret, 2005.

Filmes:

DRACULA Untold. Direção: Gary Shore. Produção: Michael De Luca. Estados Unidos: Legendary Pictures, 2014. 1 bobina cinematográfica.

Sites:

A verdadeira história do verdadeiro Drácula. Disponível em: http://super.abril.com.br/historia/a-verdadeira-historia-do-verdadeiro-dracula

Como os muçulmanos derrotaram o Drácula. Disponível em: http://iqaraislam.com/como-os-muculmanos-derrotaram-o-dracula/

Dracula untold. Disponível em: http://www.agenciafebre.com.br/system/files_force/banco_imagens/release/Pressbook_%20Dr%C3%A1cula%20-%20A%20Hist%C3%B3ria%20Nunca%20Contada.pdf?download=1

Não existe algo como o livre-arbítrio. Disponível em: http://www.universoracionalista.org/nao-existe-algo-como-o-livre-arbitrio/

Os Janízaros — Tropa de Elite Otomana. Disponível em: http://iqaraislam.com/os-janizaros-tropa-de-elite-otomana/

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.