Foto: Kristopher Roller

É hora de desistir!

"Persista, seja perseverante", quantas vezes você já ouviu isso? Desejamos sempre seguir em frente com os nossos objetivos, alcançar o que tanto planejamos, mas qual é o momento ideal para repensarmos? É importante insistirmos, tentarmos mais de uma vez, mas como é para você aceitar que talvez não seja exatamente no seu prazo e do seu jeito que as coisas irão acontecer?

Difícil nos depararmos com esse dilema: "devo continuar ou mudar de rota?", não é mesmo? Quando sonhamos e alimentamos cada detalhe desse sonho, se torna um desafio ainda maior desconstruí-lo. Talvez não seja o percurso errado, mas devemos olhar se mexendo na forma como nos movemos, o caminho se abre. Porque quando estamos seguindo algo que é nosso de verdade, as coisas fluem, não é preciso muito sacrifício.

Agarrar-se demais num relacionamento, num trabalho que não conseguimos sentir o retorno (mesmo que pequeno), é resistir a algo que já sabemos estar fadado ao insucesso. É aquele saber intuitivo que não queremos enxergar. Repito: não é nada fácil acolher essa constatação. Não é fácil, mas quando conseguimos nos desprender do que o nosso ego quer a todo custo, nos deixamos levar para mais perto do que é realmente para nós.

E isso não significa ser inconstante ou perdido, ao contrário, significa estar atento aos sinais que se recebe. Desistir de uma situação que já se mostrou outras várias vezes como perda de tempo, é uma força e não uma fraqueza. Alguns de nós leva mais tempo para perceber e aceitar, mas o importante é ficar consciente para, quem sabe na próxima, entender mais rapidamente.

Como tem sido para você esses processos de revisar trajetos, de modificar a forma como você vem fazendo as coisas ou se relacionando com as pessoas? Para mim é exaustivo, mas me faz ficar ainda mais atenta às minhas escolhas e me deixa mais flexível para encarar o que chega em minha vida. Sem esforço demais, deixando que o que tem que ser flua.

Precisa de alguém facilitando esse processo junto com você? Me procure: contato@marisabussacos.com.br

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.