Botão reset

Do que você precisa para se restabelecer quando está mal? Quando estamos em uma situação difícil — o fim de um relacionamento, ser demitido depois de anos trabalhando para uma empresa — passamos por várias etapas até conseguirmos nos reerguer e o importante nesse processo é encararmos os problemas de frente, sem tentar esconder os sentimentos de tristeza, angústia ou raiva.

Glennon Melton fala sobre isso no livro “Love Warrior” e diz que o “começo do inverno” é um período de sobrevivência, ou seja, quando você está no meio do furacão não consegue pensar e ser racional, tudo o que precisa é se segurar em algo para não desabar de vez. Nesses momentos muitas vezes o que queremos é ficar na cama, dormir muito, nos fechar em nossa concha para nos proteger.

Depois entramos naquela fase de olhar para o que nos machucou e lidar com a dor que sentimos. Nesse começo nem sempre contar com a família e os amigos é a melhor solução, principalmente se eles fizerem parte desse sofrimento. Uma interessante saída é procurar um terapeuta, um Coach ou um mentor para ajudar a visualizar de cima os fatos e a nova configuração de nossa vida.

Glennon sugere fazer uma lista dos fatos que sabemos que são reais. Isso nos auxilia a separar o concreto da dor. Assim vamos nos preparando para tomar decisões e fazermos as melhores escolhas para nós diante do acontecimento. O não saber e as incertezas que criamos quando estamos mal geram pânico e, para evitar isso, a lista e as pessoas que se dispõem a nos ajudar vão clareando o que antes parecia nebuloso.

O sofrimento não acaba nesse momento, mas pode ser minimizado com ações tangíveis. Cada pessoa tem o seu tempo para passar por essas fases, o essencial é não estagnar e também evitar contar para todo mundo. Uma história de queda pode ser espalhada quando estamos curados e não quando ainda estamos com a ferida exposta.

Esses períodos de inverno existem para nos transformarmos e evoluirmos, mas só conseguimos sair mais forte deles se nos permitirmos sentir e ir em frente. Isso depende de nós, mas podemos contar com pessoas durante essa jornada, não precisamos vestir a armadura e sair com a espada para nos sentirmos fortes e invencíveis. Em algum momento essa máscara desaparece e a queda pode ser muito mais dolorosa. Cair faz parte da vida, mas a forma como enfrentamos essa queda faz toda diferença.