Confia e entrega

Quando tomei a decisão de após 7 anos vender a empresa que eu tinha, decidi também olhar a minha vida mais de perto e mudar alguns aspectos que eu não estava dando muita atenção. Um bem importante foi a espiritualidade. Não estou falando aqui especificamente de uma religião, mas de me reconectar com algo que vai além da realidade do dia a dia.

Minha família, tanto do lado da minha mãe quanto do meu pai, sempre foi espírita. Mesmo assim, estudei em uma escola de padres quando pequena e meus pais me levavam a missa. Com 20 e poucos anos fui para a Índia e para a China e nessas viagens conheci de perto diversas religiões, como o hinduísmo, o budismo e o sikhismo. Sempre tive amigos de todas as crenças, ateus e outros que seguem filosofias de vida.

O que pude perceber é que independentemente do que cada um acredita, a confiança é libertadora. Quando falamos em encontrar significado para a vida, para o trabalho, penso que esse processo só é possível se tivermos conectados, acreditarmos que precisamos fazer a nossa parte, mas que ainda sim não depende só de nós.

Tenho encontrado muita gente para tomar café e conversar sobre a vida, as escolhas e os caminhos que cada um tem trilhado. Nessas conversas percebo o quão importante é nos ligarmos a algo maior para conseguirmos melhorar, evoluir e transformar o que está ruim no que realmente queremos para nós. Sem isso ficamos mais vulneráveis, propensos a autopunição e crença de que não somos bons o suficiente. Assim, o medo começa a tomar conta.

Decidi frequentar toda semana um centro espírita, que é um lugar que me faz bem, é um momento do dia que reservo para esquecer as preocupações e o agito do mundo para rezar, tomar passe e me conectar, pensar sobre as coisas realmente importantes da minha vida. Leio um livro toda noite que é de uma comunidade espiritual e tenho também meditado diariamente. Isso me dá força e me traz energia para enfrentar os problemas que surgem.

Essas foram as formas que encontrei para me alimentar espiritualmente, mas cada um tem as suas. Não existe um único caminho, mas quando tudo parece dar errado por mais que nos esforcemos, vem uma tranquilidade de que para tudo tem um jeito e um tempo certo. Basta estarmos conectados e confiarmos, sem nos prendermos à ideia de que tem que ser do nosso jeito e no momento que queremos.

A single golf clap? Or a long standing ovation?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.