"Entrada proibida"

INtolerância

Como lidar com as verdades enraizadas? Sabe quando afirmamos algo com convicção total e não abrimos espaço para ouvir outros lados? Difícil lidar com alguém assim e ainda mais complicado é quando queremos sustentar a todo custo uma verdade, não é? Nos enrijecemos e não toleramos aquele que discorda de nós.

Quando nos tornamos assim? Nascemos com características únicas e com a nossa própria personalidade, mas também, quando criança, somos uma esponja, absorvemos tudo o que vem dos outros: exemplos, atitudes, comportamentos. Estamos abertos ao mundo e somos influenciados o tempo todo. Em torno dos 7 anos começamos a trocar ao invés de só receber, temos algumas opiniões formadas, nos manifestamos e estamos em fase de expansão. Aí vem a adolescência e se estivermos muito centrados em nós mesmos, vamos perdendo essa capacidade de troca e queremos apenas nos colocar para os outros, sem aceitar limites e desobedecemos a quem tenta.

Na vida adulta, se não conseguimos evoluir ou transformar essa ideia de que eu sei tudo e o mundo é que está errado, vamos nos tornando intolerantes. Fazemos críticas o tempo todo e passamos a não aceitar o que é diferente de nós. Nos fechamos em nossa própria concha e só queremos nos relacionar com aqueles que concordam com a nossa visão de mundo. Assim, as nossas ideias vão se retroalimentando e virando um muro, onde só permito passar o que é igual.

Se eu não saio desse círculo e dessa redoma que criei em torno de mim, vou me distanciando de outras verdade, de outros caminhos. Afasto o senso crítico e os questionamentos. Nada cresce nesse meio, não há evolução. Apontar o dedo para o outro vira natural e ele passa a ser o culpado por tudo o que dá errado nessa jornada que escolhemos para nós: que não tem atalhos, desvios ou surpresas, é reta e exatamente como traçamos. Li num livro que a culpa é uma forma de descarregar a dor e o desconforto. E nesse caso, é isso que fazemos, culpamos para nos isentar de nossas próprias escolhas, que podem ter sido insatisfatórias. Mas não assumimos isso, jamais. Culpamos alguém.

Podemos sair disso se tomarmos uma decisão: aprender a conviver e ouvir opiniões diferentes. Ok não concordar, mas aceitar é essencial para a vida em sociedade. É aquela história de deletar das redes sociais todo mundo que tem ideias contrárias às nossas e deixamos a nossa timeline homogênea e narcísica. Um grande passo para evoluirmos como seres humanos é conseguirmos ouvir ativamente, sermos empáticos com o conteúdo que chega e nos expressarmos sem ofender ou diminuir o outro, mesmo que seja para discordar. Isso tudo exige autoconhecimento, maturidade (independentemente da idade) e abertura. Vamos lá?