Networking real

Um texto que vai além de fazer networking para conseguir isso ou aquilo. A ideia aqui é humanizar essas redes que nos fazem "engolir goela abaixo" para subir de cargo ou ser bem visto dentro de uma empresa. Será que é só para isso que existem? Como podemos construir uma rede saudável e genuína?

"Não podemos ser corajosos no mundo sem ter ao menos um espaço seguro para elaborar nossos medos e nossas quedas." Li essa frase em um livro e entendo que seja bem fácil constatarmos que não é possível resolver nossas angústias e conflitos sozinhos, mas é importante compartilharmos essas questões com outra pessoa ou até em um grupo.

Fiquei pensando como certas redes foram fundamentais durante a minha vida: meu círculo de amizades na escola e na faculdade, que me deixavam mais segura e firme nas minhas escolhas. Também trabalhei em uma organização de estudantes, a AIESEC, que foi uma escola de vida. Lá aprendi a ousar, a criar um negócio do zero, a ser resiliente quando tudo estava o caos e, mais do que isso, a confiar nas pessoas. Quando eu viajava bastava dizer que era dessa organização e lá estava eu em uma festa, jantando na casa de algum membro, recebendo alguém na minha casa que eu nunca havia visto. Uma autêntica rede de apoio!

Quando criei a Ekoa Café, um espaço para nutrir relações, brinco que por acaso era uma cafeteria, recebíamos organizações que queriam impactar a cidade de forma positiva e pessoas com um real desejo de construir um mundo melhor para todos através de empreendimentos de muito impacto. Unindo gente com o mesmo propósito nos fortalecemos e somos capazes de atingir o que verdadeiramente queremos.

Em qualquer momento da vida é primordial poder contar com grupos que nos acolham e nos façam crescer e desenvolver. Isso é essencial para não desistirmos e não nos sentirmos sozinhos em nossas caminhadas. Quantas amigas mães eu tenho que se sentem solitárias tentando aprender esse novo papel, quantos clientes me dizem que não tem com quem contar emocionalmente numa fase de transição de carreira e outros tantos que preferem se isolar a serem julgados por colegas que nunca falham e nunca têm problemas (será mesmo?).

São tantas redes sociais, mas tão poucas redes reais! As pessoas estão sozinhas tentando fazer os tais networking que são exigidas. Sendo que o que mais precisamos é de contato humano e apoio. As redes deveriam ser para isso. Acredito mesmo que "Vamos passar do egoísmo para o altruísmo, do medo para a confiança, do ódio para o amor. Em algum momento", como disse Prem Baba. Até lá haja movimento para que o que for mais importante na vida das pessoas ganhe espaço e para que consigamos entender a inquestionável importância dos grupos para as nossas jornadas.

Quais são as redes de apoio que você pode contar hoje?

Like what you read? Give Marisa Bussacos a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.