O opositor

4 questões para se autoinvestigar e fazer as pazes (mesmo que internas) com o seu opositor.

Te convido a fazer uma visualização.

Pense em uma pessoa que te "tira do sério", que te desestabiliza, que consegue estragar o seu dia e que só de pensar já te gera um desânimo. Não demora muito e já temos alguém em mente, não é mesmo? "Eu, uma pessoa que busco ser melhor a cada dia, que me olho, que me trabalho, tenho um "inimigo""? Sim, todos nós temos um opositor. A questão central é não se condenar por isso e sim pensar em como focar nos aprendizados que essa pessoa pode te trazer.

De imediato, ao pensar nela, pode ser que venham sentimentos de raiva, de condenação e todos os argumentos possíveis do porquê essa pessoa não merece a sua atenção e nem o seu tempo. Ignorá-la não te ajudará, pois enquanto você não aprender o que precisa, outras muito parecidas virão ao seu encontro. Pode ter certeza.

O fato é que ela pode te ajudar a ser alguém melhor. Mesmo. Não vou dizer aqui para amar os seus inimigos, pois esse é um passo além, porém é possível olhar para eles com mais compaixão.

Como? Se investigando:

  • O que te incomoda tanto nessa pessoa? E o que isso diz sobre você?
  • Você o considera um opositor por ser quem é ou porque tem um ponto de vista diferente do seu?
  • Que partes tuas estão encobertas e acabam aparecendo quando você se relaciona com essa pessoa?
  • Que verdades sobre você, talvez ainda desconhecidas, ela pode te ajudar a trazer à tona?

Vamos lembrar que nesse caminho do autoconhecimento não existe o acaso. Se alguém entra em nossas vidas e nos perturba tanto é porque precisamos evoluir e nos desenvolver naquilo que o nosso opositor nos mostra.

Devemos respeitar e mais do que isso, aceitar uns aos outros não por querermos ser "bonzinhos", mas porque todos somos seres em processo de desenvolvimento e, não desculpar quem pisa no nosso calo, é nos considerarmos superiores e incapazes de cometer um erro sequer. Sendo que em algum momento, podemos cometer erros até piores dos quais condenamos nessa pessoa.

E vamos lá, o calo só dói quando consentimos, não é mesmo? E ao consentir devemos nos investigar ao invés de nos perdermos querendo nos vingar ou deixando o ódio nos dominar. Muitas das respostas que procuramos estão exatamente onde nos dói.

Visto tudo isso, imagine novamente a pessoa. O que você pode fazer agora para impulsionar o seu autodesenvolvimento por meio dela?

*referências encontradas para a elaboração desse texto no livro "Sinal Verde" de Francisco Cândido Xavier.

Marisa Bussacos

Written by

Coach & Empreendedora. Apaixonada por desenvolvimento humano, pessoas e suas complexidades. Curiosa por ideias criativas e negócios com alma.

Welcome to a place where words matter. On Medium, smart voices and original ideas take center stage - with no ads in sight. Watch
Follow all the topics you care about, and we’ll deliver the best stories for you to your homepage and inbox. Explore
Get unlimited access to the best stories on Medium — and support writers while you’re at it. Just $5/month. Upgrade