As pequenas felicidades

Um pequeno exercício de mindfulness

Meu jardim-Pintura impressionista- Raquel Taraborelli

Muitas vezes em nossas vidas só damos importância e voz para as grandes felicidades como terminar o Ensino Médio, concluir um curso na Universidade, ser promovido no emprego, trocar o carro pelo que sonhava, fazer aquela viagem de férias que há tanto ansiava, ter um bom namorado, encontra a garota dos sonhos( e existe?), receber um prêmio,certificação ou aprovação numa banca ou comunidade acadêmica, ter filhos e por aí vai. Tudo isso são ótimas conquistas, porém muitas vezes supervalorizando-as esquecemos de notar as pequenas felicidades que estão no nosso dia a dia e poderiam nos manter felizes por mais tempo em pequenas doses a cada amanhecer e anoitecer.

Sábado passado no meu curso de 8 semanas de Mindfulness, meu instrutor, o professor e psicólogo Valberto Evangelista nos propôs uma tarefa: Pensar nas pequenas felicidades. SIM!Aquelas que acontecem constantemente e que muitas vezes parecem mínimas ou simplesmente estamos tão apressados, ocupados ou acelerados que não notamos a existência ou acontecimento.

Como Mindfulness é estar atento, ser presente, consciente e pleno, o exercício traz esse desafio, nos fazer prestar atenção nas pequenas coisas do dia a dia. Manter o foco aberto( Vipassana) prestando atenção em tudo e tentando encontrar coisas, pessoas ou atitudes que muitas vezes nos passam despercebidas. E ao mesmo tempo fechar o foco(Shamata)e nos concentrar para tentar enxergar detalhes do nosso dia a dia que podem nos gerar felicidade.

Ok. Que felicidades seriam essas?

Eu pensei hoje na amizade dos meus pais, por quê? Eles estão todos os dias comigo, sempre conversamos, falamos coisas do dia a dia, rimos, discutimos e resolvemos coisas práticas da rotina, porém muitas vezes eu esqueço de notar o precioso que é ter a amizade deles, e quando eu lembro disso, meu coração se alegra e no rosto vem um sorriso. É muito bom saber que eu posso conversar com meus pais sempre e que eles são meus maiores apoiadores. E nem sempre precisa ser nada profundo como conversas filosóficas pra se ter uma pequena felicidade. Você já abraçou os seus pais hoje? Poder fazê-lo é uma pequena grande felicidade que nem sempre me dou conta. Prestar atenção e perceber é maravilhoso para sentir essa felicidade.

Girl with cat- Rudolf Epp

Pensei também em algo que eu amo: gatos. A minha gata, a Lady Gata, está sempre por aqui. Ela vive passeando entre o primeiro e segundo andar da minha casa, também dá umas voltas pelo pátio onde cheira as plantas e mia constantemente, ouço seus miados e até me alegro as vezes, porém é algo comum, tem dias que não noto. Mas tem dias que quando tô na cozinha e ela passa e esfrega a cabeça na minha perna e alisa fazendo carinho, de novo me vem um sorriso no rosto, é um momento de atenção plena, total consciência que eu tenho uma gatinha, é sentir através do tato, que ela existe e que ela me ama. Ouvi-la, cheirá-la, tocá-la me traz pequenas doses de felicidade, quando assim me permito alcançar.

Outra pequena felicidade que experiencio é quando presto atenção e descubro no meu quarto livros que eu não estava percebendo, alguns que comprei e nunca li, outros que li e gostei muito. Dá uma sensação de alegria saber que existem muitas coisas a se aprender ali perto de mim, saber que não preciso ir com urgência a uma livraria, pedir emprestado ou caçar pdf´s. Eu tenho muitas obras e muitas vezes não me dou conta. Percebê-las em momentos de foco é uma felicidade.

E sobre achar dinheiro no bolso da calça? Aaaaaaah pra mim é uma pequena grande felicidade. Aquele dinheiro que a gente não prestou atenção que guardou ali, fruto da pressa ou desorganização. E, de repente, revisamos as calças e : MAIS um sorriso no rosto. Pode ser até apenas R$5,00 já dá uma alegria, se for R$20,00 ou R$50,00 a felicidade aumenta. ( ahahahaha)

Meus cabelos são pequenas felicidades. Eu sou tão acostumada a eles que quase não percebo o quão bonitos e fáceis são de cuidar. Dia desses conversando com uma amiga eu disse “ De vez em quando penso em cortar o cabelo, tá grande e não tenho muita paciência, por exemplo se eu quiser secar, dura uns 10 minutos” daí minha amiga respondeu rindo( o cabelo dela também é lindo) “ menina, meu cabelo é muito volumoso, eu demoro uns 30 a 40 minutos pra secar e ainda passo a chapinha nas pontas, ou seja eu gasto um tempão” CARACA! Senti uma felicidade e agradeci aos céus por meu cabelo nunca ter me dado nenhum tipo de trabalho e nem secar precisa, seca ao vento e continua liso do mesmo jeito, ou seja, é uma pequena felicidade. Que muitas vezes por ter sido assim a vida toda, eu não percebo e não agradeço.

Obra de Leonid Afremov

Esse reconhecer das pequenas felicidades é algo que deve ser feito por nós sempre, pois muitas vezes gotas de felicidades estão pertinho de nós e na pressa do mundo não percebemos. Pode ser com um arco íris que surgiu após aquela chuva que supostamente teria estragado o seu dia, pode ser com uma flor que estava ali há dias e você não notou ou ainda uma flor que brotou hoje e não percebemos sua chegada, pode ser com aquela mensagem de whatsapp da sua melhor amiga ou de um crush que muitas vezes nem valorizamos e demoramos pra responder, pode ser comendo com pressa, sem foco e nem percebendo o tempero diferente que foi colocado na comida, pode ser comendo por gula, devorarmos nosso chocolate favorito com tanta pressa que ao final dele temos a sensação de nem sequer tê-lo comido. Pode ser as cores das paredes do caminho que fazes todos os dias que nunca percebestes e agora olhas e te parecem harmoniosas. Nestas e muitas outras situações do dia a dia deixamos de sentir as pequenas felicidades.

Mas podemos desenvolver o exercício e a sabedoria, meu pai, seu Rivaldo, 64 anos é um exemplo disso. Temos no pátio de casa várias plantas, flores e cactos. De vez em quando um de nossos cactos se prepara pra florir, quando essa flor começa a ser preparada , seu Rivaldo já fica ansioso, pois a flor de mandacaru que inspirou tantos poetas dura apenas uma noite e é com uma espécie de alma de poeta( que certamente herdei um pouco de meu pai) que seu Rivaldo espera a flor surgir, quando ela surge ele a admira, a fotografa, nos chama para contemplar e envia para pessoas que ele gosta. A flor de mandacaru é uma flor símbolo de resistência da caatinga, pro seu Rivaldo acredito eu que seja um momento de contemplação, plenitude, estar atento a uma criação divina e de uma pequena grande felicidade. Confesso que muitas vezes não entendo essa prática do meu pai, eu sou apaixonada por flores, tenho uma ligação muito forte com elas, escrevo sobre elas, amo receber flores, fotografá-las , mas ainda assim as vezes não entendo a felicidade do meu pai ao rever a flor de mandacaru, as vezes passa pela minha cabeça um pensamento do tipo “ Meu pai tá feliz e isso é bom, mas não é apenas a flor de mandacaru outra vez?” e então me envergonho do meu pensamento tão simplista. Só amamos aquilo que é novo?Não. É uma arte amar aquilo que está ali sempre conosco. E ,no caso da flor, algo que aparece inesperadamente e em uma noite vai embora, sabendo-se lá quando vai voltar, deve ser sem dúvida apreciada..

Flor de Mandacaru- Foto: Rivaldo Souza

Por fim, poderia pensar em muitas pequenas felicidades e tenho certeza que encontraria outras. A questão é prestar atenção! Ser mindful é ser pleno, ser inteiro, ser presente e ser mais feliz! Perceber coisas que pessoas no piloto automático não notam. Ser mindful é voltar-se para seus sentidos, tudo fica mais atento olfato,tato,paladar,visão e audição. É ser um captador de sensações e sentimentos, logo ser mais pleno e feliz.

E você já se questionou quais são suas pequenas felicidades? Divide comigo nos comentários as que conseguir notar :)

Tenho certeza que prestando atenção seremos mais felizes.