Iniciativa?Ataque? YES, Ação!

Mulheres decididas podem sim tomar atitude!

Clarissa, no auge dos seus 30 e poucos anos descobrira que estava na hora de criar coragem e se assumir , “ CALMA, não é o que vocês estão pensando disse ela aos melhores amigos,vocês deveriam saber que minha sexualidade é bem resolvida mesmo!!!(solta umas risadas) o que eu tenho que parar de ter vergonha e assumir é outra coisa”.

Perante os olhares curiosos dos amigos, toda vez que os encontrava falava um pouco sobre sua nova versão, não era mais aquela Clarissa tímida que aos 13 nunca tinha beijado, que tinha dificuldade com os garotos e que demorou pra entender que sexo não era uma obrigação chata de um namorado desajeitado e sim algo realmente inominável no prazer e felicidade que lhe era possível alcançar. Ela aos poucos contava aos amigos as transformações que sofreu nesses últimos 10 anos “ em 10 anos , parece que vivi uns 20, é incrível ser livre”. De garota disputada por vários garotos e sempre a escolhida, não tendo direito de escolher o rapaz, passou a olhar e analisar bem cada pretendente e a não aceitar o primeiro que fosse legalzinho, bonitinho,educadinho ou outros diminutivozinhos. Hoje, tinha consciência que era uma mulher incrível e que podia, assim como faziam eles, escolher. Podia olhar com foco aberto e tentar descobrir se um dia irá existir o tal homem que a fará fechar o foco. Não se apressa, lá pelos 26 ou 27 quis correr atrás de namorado,marido, estabilidade, o tal do casamento compulsório e maternidade compulsória que muito é imposto às mulheres de vinte e tantos anos, mas hoje respira tranquilidade e sorri aliviada por ter paz no seu estado de ser SOLTEIRA. Não tem pressa poderá ser aos 33, 35, 37, 42,qualquer outro número ou até não ser… Após tantos homens meia boca, Clarissa aprendeu que pode ser feliz sozinha, mas com o homem errado ela não pode ser feliz mesmo. Então, sem pressas, ela cuida de si e se prepara. Se um dia chegar,que seja leve.

Mas, o que isso tudo tem a ver com : Iniciativa?Ataque?YES, Ação!

É isso que ela tenta mostrar ás amigas e aos amigos. Sempre foi tímida, a escolhida pelos rapazes e nunca pôde se manifestar, se declarar, se expressar, afinal, no Brasil somos ensinadas que “ é obrigação do homem tomar a iniciativa” outros são mais cruéis com julgamentos “ mulher que toma iniciativa é fácil e qualquer um pega” . Acontece que agora nos 30 ela estava se assumindo uma outra pessoa. “ Como? Quer dizer então que agora você vai à uma festa e têm uns caras bonitos lá e é você que vai chegar neles?” perguntou Fernanda meio reticente. Daí Clarissa disse que se ela quisesse ela o faria sim, mas que não era esse o ponto. “ Qual o ponto então?” rebateu Alice, a mais santinha de todas. “ O ponto é, não pretendo chegar em caras por aí como vocês estão pensando. E, se eu não tenho interesse no cara, eu provavelmente posso até conversar, mas darei todos os sinais de desinteresse, estarei sempre ocupada, sempre cansada e até direi que não estou afim. Mas se eu descobrir que REALMENTE( ela arregalou os olhos ao pronunciar a palavra) tô querendo algo com aquela pessoa, ah minha filha, não tem essa de mulher esperar iniciativa não. Serei educada claro, mas serei MUITO ( pensa numa mulher enfática) direta e sincera no que quero, não deixarei de ser feminina, nem serei atirada, mas serei uma mulher que sabe sutilmente e também claramente dizer EU QUERO, VOCÊ QUER?” A amiga evangélica olhava Clarissa com ar de reprovação, pensava em algumas palavras suaves pra dizer pra amiga que precisava se valorizar. Mas Clarissa não dava tempo e continuou “ eu sou uma mulher, porque tenho que sentar de vestidinho e esperar que o cavalheiro venha até a mim e diga que eu sou bonita e que quer segurar minha mão e me dar um beijo? Por que EU não posso escolher as qualidades que quero em alguém, por que eu não posso verbalizar isso sem ser julgada e desvalorizada?” “ Ah porque você tem que se dar o valor” soltou a evangélica. Nessa hora Clarissa já estava com sangue até as têmporas, odiava quando diziam que mulher tem que se dar o valor, se tem uma coisa que ela sabe é que ela tem valor e pronto, não precisa que ninguém o dê. Ela respirou, imaginou o mantra Om e disse “ Se ele me desvalorizar porque eu tomei a iniciativa, isso é um bom indicativo de que ele não me merecia” . Eduardo se manifestou “ Bem verdade apoiada Clari, aliás, minha irmã casou com meu cunhado e foi ela quem chegou nele e ele diz hoje brincando que ela ajudou em muito no trabalho que ele ia ter de conquistá-la kkkkkk , brincadeiras à parte é sempre bom encontrar uma mulher de 30 anos que se comporte como mulher de 30 anos e não como uma menina de 20, atitude é sinal de que se quer realmente algo a ponto de valer à pena dizer e não de que se é fácil”

Após essas palavras do Dudu, seu amigo de infância, Clarissa percebeu que embora parte de suas amigas mulheres não a apoiassem na sua nova versão mais decidida e sincera consigo mesma, ela continuaria sendo o que era: livre e assim feliz. Foi um caminho de 10 anos após aquele namoro abusivo(que durou uns anos)para ela descobrir que era dona de seus sentimentos, que era senhora de si mesma, que podia fazer escolhas, trazer pra si coisas e pessoas e descartar também. Foram 10 anos onde muitos amigos e amores passaram ensinando Clarissa lições de paz,amor próprio, respeito e sobretudo liberdade. O machismo do mundo que a oprime e oprime todas outras tantas mulheres que às vezes nem percebem, faz-lhe querer sempre poder se expressar e lutar pela sua vontade de poder ser o que quer, poder expressar o que que quer sem ser julgada fácil, vulgar, sem valor.Sem que para se falar o que sente precise deixar de ser calma, doce, observadora e não é por isso que os homens deverão se omitir, tenham atitude please. Pra Clarissa, isso se chama iniciativa perante uma vontade, se para os outros, se chama ATAQUE, ok, vamos ao ataque: AÇÃO!

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.