Análise de dados: Como nossos deputados andam se alimentando?

Não me considero um cientista de dados, mas de um tempo pra cá andei brincando na área, nos meus ‘pseudo horários vagos’ que ando tendo (risos de alguém com uma dissertação pra terminar).
Para fechar (ou abrir) um tema simples, tratado por mim como brincadeira inicial e que acabou ficando bem sério, eu resolvi escrever sobre análise de dados públicos utilizando ferramentas computacionais. Esse, portanto, será o meu primeiro tópico sobre o assunto (e não sei se o último).

Ano passado, ao brincar com web scrapping (coleta de dados)+python+shell script, eu conheci um projeto chamado Serenata de amor, focado na promoção, detecção e combate à corrupção no governo federal do Brasil (na data de publicação desse artigo já estavam expandindo para municípios). A abordagem deles é bem interessante, e começou desde à criação de um portal com os dados indexados de forma padronizada até um robô virtual (Rosie) que notifica via Twitter possíveis irregularidades realizadas por algum deputado federal, através de machine learning (IA) aplicada a estes dados de reembolsos dos parlamentares (mais especificamente a Cota Para o Exercício da Atividade Parlamentar - CEAP).

“Um projeto aberto que usa ciência de dados - as mesmas tecnologias utilizadas por gigantes como Google, Facebook e Netflix - com a finalidade de fiscalizar gastos públicos e compartilhar as informações de forma acessível a qualquer pessoa.” [https://serenata.ai/]

Rosie (o robô da serenata de amor) [1]

No portal do serenata de amor existe um front-end com todas os dados que a Rosie vasculha a procura de irregularidades, chamado Jarbas. Foi aí que uma ideia me veio em mente.

E se eu usar webscrapping de todos os reembolsos de alimentação e analisar os valores gastos nas refeições dos deputados?

Bem, o que parecia um pequeno teste acabou virando uma bola de neve quando comecei a ver meus primeiros resultados…

131,50
155,00
80,40
45,00
77,00
17,90
53,30
….

Encontrei alguns valores um pouco absurdos para uma refeição, pois seja almoço, jantar ou uma simples merenda, a legislação que trata da CEAP diz que o reembolso referente à alimentação somente será autorizado para despesas com o próprio parlamentar (nem assessor entra).
A partir daí eu comecei a me perguntar se poderia existir algum deputado com reembolso de valores exorbitantes. Então, segui a estratégia inicial que os participantes do projeto serenata de amor usam para “programar” a Rosie: Elaboração, teste e implementação de hipóteses.

Minha hipótese: Há valores absurdos no conjunto de dados de reembolsos no tocante à subquota parlamentar destinada à refeição dos parlamentares.

Então, eu transformei a hipótese em busca computacional na base de dados do Jarbas e encontrei todos os valores referentes à cota. Resgatei no total 201.600 reembolsos, no intervalo entre 2009 e 2017.

Nesse cenário, a Rosie iria muito mais a fundo, pois, a partir do aprendizado de máquina ela conseguiria identificar os gastos suspeitos através de diferenças substanciais geradas por esse ‘aprendizado’, e então iria apresentá-los (existe até um parâmetro ‘suspicious’ no JSON que você pode definir para receber somente os gastos suspeitos). Porém, meu pensamento era de analisar o todo, tentando ‘enxergar’ qual o padrão de distribuição dos valores das refeições, considerando reembolsos suspeitos ou não.

Fiz uma estatística descritiva, distribuição de frequência e Boxplot. Os resultados estão abaixo.

Distribuição fortemente assimétrica. Elaboração própria. by LibreOffice Calc.

Olhe como ficou a distribuição de frequência da série. Primeiro que o modal gira em torno de 201.189 refeições com valores médios de R$ 405,00 e o restante (411 refeições) se distribui em valores muito altos, chegando ao máximo de R$ 14.931,00!

Ao olhar para o histograma acima você pode pensar: Puts, o valor da maioria das refeições dos deputados gira em torno de R$ 405,00!!!
É verdade. E é por isso que somente a média nem sempre é um bom estimador/parâmetro no entendimento de como se comportam os dados.

Sabe quanto deu a média geral na série como um todo?
R$ 66,43

Um desavisado (ou oportunista) poderia pegar o conjunto de dados dos valores de refeição, calcular a média, chegando nesse valor acima, e defender que R$ 66,43 é um bom valor para esse tipo de gasto, além de afirmar que os deputados usam esse recurso de forma consciente.

Viu como é fácil enganar com dados?

A discrepância acima pode estar relacionado à valores muito altos (ou baixos) em toda a série de dados, fazendo com que a análise por média/mediana não seja tão adequada assim. Geralmente, quando se trabalha com estatística, retiram-se os valores discrepantes (outliers) antes de calcular esses parâmetros/estimativas, dependendo do objetivo e objeto da pesquisa. Porém, meu caso é que eu queria saber como eles estavam distribuídos em seu todo.

“Em estatística, outlier, valor aberrante ou valor atípico, é uma observação que apresenta um grande afastamento das demais da série (que está “fora” dela), ou que é inconsistente.” [2]

E como faço para saber quais valores são outliers?

Visualmente se pode tentar identificar quais são os outliers em uma distribuição de dados, logo, no caso acima, alguém poderia dizer que desde os que gastaram uma valor médio de R$ 1.212,00 (254 deputados) até R$ 14.931,00 (1 deputado) em uma refeição são outliers. No entanto, essa informação pode estar correta ou não.
Na estatística, existem inúmeras formas de identificação desses valores, e aqui eu utilizei a amplitude interquartil (IIQ). Sendo pragmático, apresento os dados que encontrei:

  • Valor ‘normal’ para refeição: entre R$ 0,70 e R$ 156,43.
  • Valor ‘bizarro’ para refeição: acima de R$ 156,43.

Através do gráfico boxplot, podemos ‘ver’ mais intuitivamente como se dá a dispersão desses valores. Os pontos em vermelho indicam todas as refeições ‘com valor aberrante’, ou seja, os outliers. Já a barra em azul representa todo o resto que está dentro da ‘normalidade’ da distribuição.

Valor da refeição dos deputados. Elaboração própria. by R, plot.ly e draw.io

Descobri que 6,28% dos reembolsos para refeição são valores exorbitantes, sendo que boa parte desses se concentra entre R$ 2.000,00 e R$ 4.000,00 (para um único reembolso).

Agora você já entendeu o porquê de nem sempre a média ser o melhor recurso para analisar padrões em distribuição de dados, o que, pelo senso comum ainda ocorre.

Existem casos até da própria assessoria parlamentar não saber o que é uma média. Olhe abaixo a resposta que esta deu à equipe do serenata de amor, após ser questionada de um gasto suspeito do Deputado Fábio Mitidieri. Parece brincadeira, mas não é.

Fonte: Resposta oficial do deputado, via Câmara Federal, Processo nº 100.548/2017, folha 8 (apud Cuducos)

Bem como também nem sempre somente outliers definem quem está provavelmente sendo corrupto ao realizar gastos nessa distribuição de dados. Através de técnicas de machine learning, programada na Rosie, muitos outros parâmetros são retirados e descobertos para melhorar sua inteligência artificial, dia após dia.
Por exemplo, esse robô pode detectar que toda vez que um deputado é reembolsado em um restaurante de sua cidade natal (ex: Maceió) o gasto é muito maior do que o comumente capturado por ela, quando ele gasta em Brasília. Uma possível explicação para isso poderia ser que o deputado oferece banquetes em bons restaurantes em reuniões com aliados ou até mesmo com a família, ao chegar em sua cidade de origem.
A Rosie, ao identificar a possível “anomalia”, vai prontamente definir aquele reembolso como ‘suspicious=1’ na indexação do gasto. Logo em seguida ela notificará todos os seguidores via Twitter e estes, sendo cidadãos e compromissados com nosso dinheiro e o bem coletivo, abrirão processos na câmara federal sobre o gasto suspeito. É o passo a passo.

“É a revolução de massa P2P: Informações públicas descentralizadas na palma da mão!”

Eu ía disponibilizar como presente a informação do maior outlier da série estudada neste artigo, com valor nada mais nada menos que R$ 15.000,00, mas, ao analisar o arquivo txt com os dados que recuperei vi que não puxei os parâmetros a respeito do nome do deputado nem código único do documento (document_id) pra poder auditar depois (como falei, inicialmente eu fiz a busca só querendo saber dos gastos). A única informação que tenho é que esse valor está na posição 201.572 da busca, ou seja, o gasto é referente ao ano de 2009, pois foi perto do final do arquivo, além de eu ter feito a busca por ordem decrescente de ano.

Então, semana passada, eu fui atrás do primeiro valor disponibilizado pelo Jarbas referente à subquota em questão, do ano de 2009. Conferi a ordem dos últimos valores, abri o arquivo dos dados que eu já tinha e então percebi que estes valores da plataforma não batiam com os que eu tinha no arquivo de 2017. Por algum motivo o Jarbas não mostrou em 2018 o que ele mesmo tinha me retornado em 2017. Os dados que deixaram de aparecer estão entre a posição 201.501 e 201.600 (99 valores). Então fui no portal da transparência da câmara federal tentar achar esses gastos ‘na mão’. Clique vai, clique vem e ainda sim não achei nada! O mais pasmem disso tudo é que esses 99 valores concentram gastos MUITO EXORBITANTES (incluindo o master outlier). Abaixo listo alguns deles:

Gastos que sumiram. Elaboração própria. By KWrite.

Algumas explicações para isso:
- Portal da câmara pode ter excluído esses 99 valores e o Jarbas ter reindexado a base de dados sem eles.
- Jarbas pode não ter indexando corretamente os valores capturados do portal da câmara. Essa é muito improvável, já que auditei diversos pontos da lista de reembolsos (especificamente na ordem) que capturei alguns dias atrás e ‘bateu’ com os meus dados antigos.
- Portal da câmara pode ter alocado estes reembolsos em outra subquota, que não a referente à alimentação do parlamentar.

Após a pausa para o mistério, vou disponibilizar dois gastos que eu acho que representam bem o que ocorre e como nossa política atual é ‘planejada’.
Fica de reflexão para você.

Liderança do PT: R$ 3.887,00
Liderança do PSDB: R$ 3.687,50

Enfim, neste artigo tentei falar de duas coisas: Como funciona um pouco o processo de machine learning e como realizar um pequeno estudo para aumentar o entendimento sobre uma distribuição de dados, usando, neste caso, os dados públicos dos reembolsos com refeição de parlamentares.

Como dever de casa, eu passo pra você calcular quanto de dinheiro sobraria se somente as refeições com valores discrepantes (os pontos vermelhos) tivessem uma média de R$ 50,00 cada uma. É uma conta simples, mas profunda quando você ‘bate o olho’ no resultado.

No mais, segue o link dos arquivos que utilizei neste trabalho, o que inclui os scripts e o conjunto de dados.
http://bit.ly/2Jw6Mwl

Abraços e vamos apoiar o serenata!
https://serenata.ai/

Cientista da Computação. Artista digital. Mestre em Políticas Públicas.

Cientista da Computação. Artista digital. Mestre em Políticas Públicas.