Amor, Hollywood e etc…

Estive refletindo, acho que andei alimentando um amor platônico, não por uma pessoa, mas pela ideia da existência do famigerado “amor da minha vida”.

Estando em um relacionamento, que é desigual, por que todos são em sua devida proporção, passei por diversas fases. Primeiro achei que tivesse chegado tarde demais, depois de uma desilusão amorosa fica mais difícil acreditar em amor verdadeiro. O que não se aplicou a mim, até agora, já tive algumas decepções e continuo fielmente adepta ao amor, talvez eu seja muito ingênua… não sei. Depois passei pela fase de achar que o “amor da minha vida” era uma construção, que tijolo por tijolo se ergueria. Daí achei que esse não era o relacionamento, fiquei triste por pensar que sentia tudo isso sozinha…

Por fim, estou achando que criei ou comprei essa ideia hollywoodiana do “Amor da minha vida”. Começo a achar que essa entidade amorosa não existe.

Qualquer relacionamento amoroso é desigual por essência, uma vez que é constituído, no mínimo, por duas pessoas diferentes.

Então, talvez se trocar o “da” por “pela” eu aumente minhas chances de ser feliz. Uma vez que amando a minha vida tenderei a fazer escolhas que me tragam prazer e alegria, se isso não é uma característica do amor… não sei o que é.


A garrafinha foi produzida pela hn.calegrafia, quem quiser conhecer mais sobre o trabalho incrível que ela faz, só dar uma procurada no Instagram!