DOIS MIL E DEZESSETE.

Pois é, que ano que passou voando, nunca vi um ano passar tão rápido, não sei se foi por que teve tanto feriado, se teve tanta coisa ocorrendo na minha vida, simplesmente não sei, mas foi doido.

Eu queria dedicar esse texto a todos, SIM, A TODOS, que passaram na minha vida e ficaram e aqueles também que foram embora.

Esse texto vai ter coisas que nunca foram faladas por mim, então desculpa a quem eu vou magoar, mas pra quem viveu essas coisas como eu, é necessário contar.
2017 ficará na memória. ❤

Vou começar com o inicio de ano, vulgo, Janeiro, fiz coisas que nunca pensei que iria fazer, sabem aquela fase rebelde que um adolescente tem? Eu fui ter com 20 anos de idade, em vez com 17 ou 18 anos, enfim. Eu aprendi com erros e acertos de janeiro, posso dizer que não irei cometer mais erros daquela forma.

Fevereiro, outro mês que só fiz coisas erradas, comecei a namorar uma pessoa que me colocou em um relacionamento abusivo (logo, logo eu falarei mais sobre isso), e só fui perceber depois. Começou o segundo ano da minha faculdade de Publicidade, conheci os meus calouros, que são uns amores, e que alguns eu levo uma amizade muito sincera e outros são sem sal e açúcar, mas eu admiro, sabe o por que? Ser calouro de Publicidade é ainda com a grade curricular nova, é enfrentar desafios constantes, aprender a mexer com câmera, aguentar aulas que você se pergunta “Por que raios eu to aprendendo isso?”. E aprendi que terá pessoas sempre pedindo ajuda e querendo te ajudar, só pra saber como faz coisas que você já passou na faculdade. Foi no final de Fevereiro que eu saí de casa, por motivo de brigas dentro de casa, posso dizer que eu ainda era tratada como uma criança de 5 anos, não podia sair e quando podia eu tinha que estar as 19 horas em casa independente do dia da semana que eu saísse.

Março, ainda passei fora de casa, estava em casa de parentes, que foi nessa casa de parentes que descobri que família eu tinha, quem era a favor de estar comigo ou queria que eu me ferrasse, metade desse mês eu voltei pra casa onde resido até hoje e descobri que aqui é meu lugar e não vou sair daqui tão cedo, se eu me criei aqui, vai ser daqui que eu vou sair quando eu tiver confiança pra seguir uma vida correta e se Deus quiser, formada e casada. Neste mesmo mês eu aprendi uma coisa, mas não tão intensamente, eu relembrei meus momentos de ex aluna de colégio católico que eu vivi durante 10 anos da minha vida, indo nos passeios que me chamaram e assim eu aprendi que tem muitas pessoas que seguem nessa mesma linha, que vivem a Pastoral que são voluntários. Nesse final de mês eu ainda continuava namorando aquele mesmo cara que eu falei, e ele parou no hospital, eu aprendi que namoro é algo que você tem que cuidar da pessoa e então eu acompanhei ele, e eu hoje eu penso pra que? (Mas logo eu retorno nesse caso.)

Abril, um mês meio que sem sentido para mim, eu passei aniversário de um amigo meu enchendo o saco dele falando que daria presente pra ele e no final eu só escrevi um texto no whatsapp (desculpa, mas em 2018 eu vou comprar um presente.). Agora, vou relembrar o caso que eu falei, pra que? Eu vou explicar detalhadamente o que está na minha cabeça, eu namorei essa pessoa desde fevereiro à maio, e no intervalo de tempo que essa pessoa ficou no hospital, ela não deixava eu mexer no meu celular, eu tinha conversas com meus amigos e todas as vezes que eu iria encontrar essa pessoa, eu apagava as mensagens, eu tinha na época o extinto (haha) Snapchat, onde eu mandava snap pra amigOS e amigAS, então essa pessoa quando ela tava no hospital, ela pegou o meu celular, e se trancou no banheiro pra ver todas as minhas mensagens, e reclamou, falou um monte, me xingou um monte, mas como mulher, eu esperava que ele melhorasse e não fizesse mais isso, mas as coisas foram piorando, era me stalkeando no twitter, facebook, só não clonou meu whatsapp, pois eu consegui me livrar da pessoa na época, mas teve uma vez que essa pessoa falou: Você só tem amigos homens pra colocar na geladeira, e depois sair pegando todos. Mas eu aguentei tudo isso até maio, e graças a deus a 4 pessoinhas que hoje eu tenho uma grande admiração, eles me mostraram as coisas que eu passei e me tiraram desse mundo. (Valeu pessoal!)

Maio, foi o mês que ocorreu o caso de estupro na minha faculdade, foi o mês que eu terminei meu relacionamento, foi o mês que aprendi coisas que não está em livros e nem numa faculdade se aprende. Foi o mês que aprendi a amar mais a fotografia de uma forma inexplicável, foi o mês que aprendi a me soltar pra brincar de modelo, e foi o mês que fui chamada pra participar do projeto CSC, e aprendi que a Publicidade é algo que vai estar por muito tempo na minha vida (não sei se choro ou dou risada). Foi a partir desse tempo que eu aprendi a conhecer mais as pessoas, convivendo com elas, conversando, sabendo o que elas fazem e também tentar cuidar das mesmas.

Junho, começou as coisas nesse projeto, foi maluco, foi intenso, mas o que foi mais intenso, foi trabalhar com um amigo meu numa festa da atlética, tirando fotos, foi muito legal e engraçado, só quem estava lá sabe do que aconteceu. Foi o mês que eu tive trabalho exposto no anuário do meu curso, tive fotos que eu tirei pro meu curso no anuário, uma coisa tão maravilhosa, que foi ali que aprendi a gostar mais de fotografia. Esse mês foi um mês de auto-conhecimento, vocês provavelmente vão querer me xingar, mas foi o mês que aprendi o que é estar apaixonada, não apaixonada de ensino médio, e sim algo que vem de dentro, algo que você pede pra Deus tentar explicar, mas cada dia que passa você fica sem entender.

Julho, um mês que eu guardo na memória de uma forma, se fosse algo que eu pudesse tocar e guardar literalmente eu guardaria num pote, pra ficar olhando e relembrando, foi o mês que eu conheci pessoalmente quem era meu publicitário favorito, (ah lá vai ela puxar o saco dele novamente), mas a pessoa que ele é, o que ele se formou, e também ele é ex aluno da mesma faculdade que eu, é uma pessoa humilde e querida. Dois dias depois desse fato, lembram que eu falei de um amigo que eu só mandei texto no whatsapp e trabalhei com ele tirando fotos, ele também está entre as 4 pessoas que me mostraram um mundo novo, esse meu melhor amigo, virou meu namorado, (MAS VOCÊ NAMORANDO DE NOVO?), sim, e até esse dia que estou escrevendo estou namorando com ele, lembram que eu falei o que é estar apaixonada? Era por ele! Sabem aqueles namorados de filme, que quer proteger a namorada da chuva, que abre porta do carro, que divide lanche com você? É ele. Logo que fui pedida em namoro, logo eu tive que viajar, foi o tempo que ficamos distantes pra saber se realmente era amor (não é cilada…), enfim, foi um mês que meu senhor, foi louco também.

Agosto, foi o mês que eu conheci a família do meu namorado e de resumo, não foi legal, eu nunca senti algo parecido, foi como se Deus estivesse falando comigo, “Olha é isso ai, que você vai enfrentar.” mas eu hoje eu vejo que foi necessário, pois os pais do meu namorado eu considero da minha família como o meu namorado também é da minha família. Foi o mês que eu vi um projeto (CSC) que construí estar pronto, foi emocionante e também chato, pois não teve resultados tão grandes. Foi o mês que eu vi duas coisas maravilhosas se unirem, fotografia e meu namorado, pra quem não sabe eu e meu namorado somos loucos por fotografia, e hoje somos sócios em uma futura empresa que vai ser inaugurada em 2018 (se Deus quiser.).

Setembro, mês do meu aniversário, mês do congresso mais top que fui voluntária, Intercom, quem me conhece sabe o quão apaixonada eu fiquei pelo Intercom, que fiquei uma semana inteira trabalhando lá e no final de tudo, fiquei cansada mas super feliz pelo resultado. Setembro me trouxe um presente adiantado, show do Duo AnaVitória, que show, que tudo, sem explicações. Foi a partir desse mês que tudo começou a se alinhar de uma forma tão correta, que posso dizer que eu sou grata por tudo que me ocorreu até aqui.

Outubro, mês que fiz minha primeira viagem com meu namorado, foram 3 dias de muita coisa que aprendemos, que eu não gosto de areia e nem água do mar, mas logo eu vou aprendendo aos poucos a gostar disso. Esse mês não teve muitas coisas, mas teve compreensão da minha parte em cima da minha vida.

Novembro, foi onde eu e meu namorado decidimos colocar em nossas mãos aliança, foi onde eu ganhei a minha flor favorita, um Girassol, que está prestes a ter sementes pra plantar novamente e ter mais girassóis. Foi o tempo que pensei que nunca iria ter fim, era trabalhos e trabalhos da faculdade que não acabava, eu pensei que nunca iria ter fim, e final desse mês teve uma banca de trabalho que apresentei, que considero, foi bom, mas podia melhorar, mas tudo se passa.

Dezembro, último mês do ano, e que ano que passou rápido, que teve muitas coisas, que teve revelações, que teve de tudo um pouco. E de resumo, é um mês que ainda está ocorrendo, foi de grande valia esse ano, eu pude aprender muitas coisas. Foi um ano que eu não vi passar, mas foi um ano maravilhoso, obrigada a todos que participaram desse ano. ❤

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.