O chão do seu quarto ficava lindo quando vestia as minhas roupas. As sinuosas curvas da cerâmica se tornavam sedutoras com aquela calça que você passou tanto tempo tentando me convencer que vestiam perfeitamente as minhas pernas. Mas eu gostava mais dela ali, naquele chão do seu quarto.

Até o meu vestido favorito ficava muito melhor ali, do avesso, enfeitando a nossa pressa de se revelar um ao outro. Fazíamos um desfile particular da moda que inventávamos. A sua cama, passarela. A alta costura de nossas almas preenchia os manequins de nossos corpos.

Quando as cortinas se abriam, despíamos o chão sob os olhos curiosos das prateleiras do outro lado do quarto. Sabíamos que a próxima coleção seria mais um sucesso.