“Homem-Aranha: De Volta ao Lar”

Um jovem sai de casa com parte de sua herança para viver como acha que deve. Após sucessivos fracassos e perder tudo que tinha, retorna pra casa arrependido e é recebido com uma grande festa por seu pai, que tanto sentia sua falta. A parábola do filho pródigo, de certa forma, exemplifica a situação de um dos heróis mais famosos do mundo ao retornar para o estúdio de onde jamais deveria ter saído.

Homem-Aranha: De Volta ao Lar (Spider-Man: Homecoming), do diretor Jon Watts, só aconteceu graças a negociações entre as empresas Sony Pictures Entertainment e Marvel Studios. O personagem, que desde 2002 tem seus filmes produzidos pela Sony, passou por altos e baixos, até encontrar com a Marvel uma fórmula nova, um recomeço. Veio a pequena — e ótima— participação no filme da Marvel Capitão América: Guerra Civil, de 2016, e a parceira dos estúdios se repete para o filme solo do personagem, se mostrando eficiente e promissora.

O jovem Peter Parker (vivido pelo carismático Tom Holland) tenta equilibrar sua vida como estudante e Homem-Aranha, lidando com as crises da adolescência, a vontade de ser um grande herói e a ameaça do vilão Adrian Toomes (Michael Keaton). O longa não perde tempo em contar sua origem, já explorada tantas vezes no cinema. Em vez disso, foca no ambiente escolar, nas amizades de Parker e na relação com seu mentor Tony Stark (Robert Downey Jr), que foi iniciada em Guerra Civil. Estes novos elementos, aliados a um clima mais leve e descontraído, trazem um alívio e renovação, além de remeterem às muitas histórias em quadrinhos. Referências é o que não faltam no filme, além de diálogos realmente divertidos e sem piadas forçadas.

Holland é o Peter Parker/Homem-Aranha ideal. Entende o personagem e seus dilemas, mostra todas as nuances e complexidades e um adolescente que tem muito em suas costas e que sente a necessidade constante de se provar capaz. Seu melhor amigo, Ned (vivido por Jacob Balaton) é dos maiores acertos do filme, com um personagem cativante, divertido e que rende uma espetacular dinâmica com Parker. Michelle (interpretada por Zendaya), Flash (Tony Revolori) e Liz (Laura Harrier) completam o grupo de amigos de Peter, são eficazes e suas personalidades distintas remetem ao icônico grupo de estudantes no filme Clube dos Cinco, de 1985.

Mas a grande surpresa é Keaton. O ator, experiente em interpretar heróis no cinema, transforma seu personagem em uma pessoa real, com conflitos e motivações convincentes, passando medo, frustração e compaixão. Adrian Toomes (que apesar de jamais ser chamado de Abutre”, é este vilão das HQs em visual e habilidades) parece forçado a cometer seus atos de vilania, pois se vê em uma situação de desespero. Deste modo, suas ações chegam a ser compreensíveis. Poucos personagens tiveram essa profundidade e tratamento até hoje no Universo Cinematográfico Marvel.

De Volta ao Lar, contudo, não possui cenas de ação inspiradas, diferente dos filmes antecessores do personagem — algumas chegam a ser confusas. É também perceptível que Holland é substituído por um Homem-Aranha digital em boa parte das sequências de luta, falha que não deveria existir, já que diversos momentos precisariam somente de efeitos práticos ou dublês. A trilha sonora é facilmente esquecível (apesar da incrível inclusão do tema clássico dos desenhos Spider-Man no começo do longa), e o roteiro deixa também alguns furos e incoerências, como o tempo e espaço entre os acontecimentos entre os filmes do universo Marvel.

Mas estes detalhes, nem de longe, estragam a experiência de ver o “amigo da vizinhança” em sua melhor forma. O filme é divertido, descompromissado e a jornada de Peter Parker ganha um revigorante capítulo, que merece continuar por um bom tempo.

Como é bom ter este filho tão querido pelos fãs acolhido em casa.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.