2045

Um portão de ferro me protege do mal

Preto, pesado, difícil de mover

Proteção contra roubo e gente estranha

Animais demarcam seus territórios

Assim como demarco o meu:

Muro alto, cadeado, arame farpado

Uma arma carregada para complementar.

Quer falar comigo? Toque a campainha

Visitas? Avisem com antecedência

Cachorro latiu? Não é coisa boa

Mas sigo na esperança

De que toda essa necessidade de segurança

O muro, o portão, o cadeado

Se torne apenas memória distante

De um passado terminal

Like what you read? Give Mateus Marinho a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.