“Acho que metade dos homens que eu amei, pensei que amei ou fingi que amei deveriam ter sido na verdade só meus amigos e eu adoraria ter ‘perdido’ mais minutos do meu tempo com eles.”

Essa frase faz parte de um dos meus vídeos preferidos no Youtube, ele é de 2009 e foi gravado como parte um projeto da atriz Carolina Ferraz para contar histórias de amor. Talvez hoje tenha sido a vigésima vez que assisti tal vídeo e com certeza foi a vigésima interpretação que dei a ele.

Eu creio, tenho certeza na verdade, que nunca cheguei a amar alguém (‘romanticamente’ dizendo), pra falar a verdade eu nem devo ter chegado perto disso, o que eu já senti há muito tempo foram paixões adolescentes com direito a taquicardia, ansiedade e muito flerte (nem todas com sucesso). O fato é que acabei conhecendo caras muito legais, mas não pra me relacionar. Caras com conversas interessantes, gostos intrigantes e corações bons, pessoas que com certeza , em outras circunstâncias, teriam sido ótimos amigos.

Acontece que alguns até foram amigos, porém não conseguimos (eles e eu, sem culpa individual a essa altura) conceber que existia sim um ‘dar certo’ pra nós, só não incluiria beijos e um namoro, mas uma amizade. Talvez na hora das mágoas, das desilusões e dos desencantos (sempre superestimados), isso pareça uma ideia muito romantizada, mas com o tempo se percebe que existem bagagens de vida que continuariam fazendo sentido até hoje. E eu adoraria ter ganhado mais minutos do meu tempo com elas.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.