vigílias

Na calada da noite, sempre existe alguém de vigília. São inúmeras as razões que fazem as pessoas ficarem acordadas até tarde: trabalho, diversão, insônia ou preocupação. Agora, neste exato momento, deve ter alguém pelo mundo afora que ainda não foi ou não vai dormir tão cedo.

Ok, até aqui temos um fato óbvio, uma relação de causa e efeito. Mas e daí? Enquanto escrevo (e apago) as linhas desse texto, percebo que o horário tá avançando. Ao ver que já são mais de 2 da matina, percebo que minha luta pra tentar escrever um texto legal não vai acabar tão cedo. Ou será que vai?

Pois é.

Enquanto me lembrava das inúmeras noites que passei em claro, comecei a pensar: porque as pessoas encaram acordadas a escuridão e o silêncio das madrugadas? Não é mais cômodo dormir, descansar e relaxar? As respostas parecem fáceis e até mesmo óbvias, mas creio que a obviedade muitas vezes esconde em si muitas nuances que, se descobertas, revelam muita coisa.

Em cada pessoa que faz sua vigília pela noite, dá pra se notar uma única razão que serve com motivação para lidar com a escuridão: o desejo de lutar. Seja no gari que limpa as ruas vazias, na garçonete que atende com muito respeito clientes que faltaram nas aulas de gentileza, no cara solitário que chora pela perda de alguém querido ou na moça que sente saudades do seu amor, em todos eles podemos encontrar essa vontade intensa e singular.

É a luta que motiva, que inspira, que ilumina.

É pela luta que todos encaram esse mundo cheio de cruéis dúvidas e obscuras incertezas.

E é nessa luta que todos eles são provados.

Afinal de contas, é como ouvi certa vez: “pra ver a luz é preciso atravessar a escuridão”.

E pra atravessar a escuridão, é preciso estar em constante vigília.