A fotografia

O casal apaixonado apoiava-se sobre as grades da grande avenida num sábado à noite. Um cenário perfeito para um filme romântico- ou simplesmente de um bom encontro aos sábados à noite entre duas pessoas que se gostam muito. Pelo menos assim deduziam todos os que estavam ao redor, afinal, ninguém expressaria tanto apreço assim por nada.

A paixonite aguda do rapaz era demonstrada não somente pelo seu olhar- visivelmente apaixonado- ou pelos beijos, abraços e carinhos, como também pelo fato de conseguir identificar o plano de fundo ideal para fotografar sua companheira. Esta, por sua vez, apresentava um deslumbrante sorriso e um olhar de quem estava distante, porém presente, ao mesmo tempo. No futuro, no passado, mas ainda assim no presente. E este era o momento que o rapaz adoraria guardar com sua câmera.

Uma foto sua aqui ficaria incrível…
Você acha isso mesmo?

Sacou o objeto, ajeitou o foco. Reparou no sorriso da menina que passara já por muitas coisas na vida.

Na semana anterior, mais especificamente, muita coisa. Muita coisa mesmo. Muito mais do que alguma desejaria passar num período tão curto assim- apenas 7 dias. Pensou nas palavras que os dois haviam trocado: nunca ruins. Porém, mais do que palavras simples; aquelas que talvez pudessem significar algo ou talvez não.

Ou talvez nada.

A verdade mesmo é que ele acabava sempre pensando muito: tudo o que foi, não foi e o que poderia ser. E isso era horrível.

E daí que surgiu o perigo afinal de tudo: eram palavras de dúvida. Sobre a vida, sobre o futuro. Naquela época de apenas alguns dias, os tempos eram diferentes. Havia dúvidas principalmente sobre o futuro. Futuro esse que, se considerado como “o espaço de tempo entre uma semana e a outra” agora era o presente, e absolutamente tudo havia mudado.

Aparentemente as dúvidas haviam sumido. A felicidade havia voltado, junto com os dias de sol. E ambos estavam felizes. Ela, porque o presente do passado havia passado e ele porque agora poderia simplesmente aproveitar e guardar o presente como um presente para si próprio, em forma de fotografia.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.