capítulos da vida a serem coloridos

Eu tenho capítulos da minha vida que não quero contar para ninguém, que queria queimar para não ter que lembrar das coisas que passei. Palavras escritas em forma de memórias que não quero ler de novo, muito menos que ninguém as leia. Eu aprendi com a vida que queimar essas páginas não é algo possível, mas rabiscá-las, substituí-las com páginas boas é algo que consigo fazer ou pelo menos tento.

Aquele sentimento de estar em um lugar, mas ao mesmo tempo não estar. Aquele sentimento de que alguém liga, mas ninguém liga. Aquele sentimento de que se importam, mas não se importam. É na ambivalência da minha mente que a confusão se instaura. Quero que me amem, mas sinto que não me amam. Quero que eu seja diamante, mas creio que não o sou.

Eu não sei o que eu fiz para merecer ser rabiscado em minhas páginas, mesmo que eu tenha tentado colorir as deles. Não sei. De qualquer forma, hoje eu sei que fui rabiscado e não posso queimar o que fizeram, mas posso colorir os rabiscados pra esconder de mim mesmo o que eu tenho por dentro, pra substituir o preto pelo arco-íris e o branco pelo sorriso.

Like what you read? Give Matheus Aded a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.