Eu sou um diamante ambulante.

Às vezes um lixo me sinto,
Pesado e fedido,
Pronto para ser descartado
E rezando para o caminhão passar ao meu lado.
Mas aí eu percebo:
Como pode um diamante no lixo ser jogado?
Algo de tanto valor não pode ser desperdiçado,
Jogado para outro lado,
Deixado de escanteio.

Eu sou um diamante ambulante,
Valho mais do que o Donald Trump,
E tenho a rigidez de dez mil pedras.
Não consigo ser quebrado por palavras,
porque sou mais forte que elas.

Se eu não tivesse nascido,
meus amigos não seriam ricos
por ter ao lado um diamante com tanto brilho.

E quando eu duvidar por que existo,
Falarei comigo mesmo:
Eu brilho muito e é meu dever brilhar o mundo.