Como um suco de laranja fez com que eu encontrasse o Jorge Lordello em uma padaria da Berrini

O ano de 2014 havia acabado de começar, estávamos em janeiro e a vida na Berrini já tinha voltado ao normal, pois a vida de publicitário é assim mesmo.

Na época, eu era o produtor de conteúdo de uma grande marca de refrigerantes e tinha o costume de chegar antes do horário pra poder adiantar o trabalho com a firma em silêncio. Eu era sempre o primeiro a chegar, e no dia 22 do primeiro mês do ano não foi diferente. Foi chegando o pessoal, e eis que aparece meu amigo Bruno Donadio.

Bruno é um grande ser humano, e tinha o costume de parar o carro uns 500km da empresa porque o estacionamento era mais barato. A gente trabalhava no meio da Berrini e o cara estacionava o carro quase perto da Globo.

O estacionamento era ali perto da Globo e o lugar de trabalho serve ali no ponto vermelho. A distância era terrível

Bruno vem com um copo de Guaravitón na mão e rola o seguinte diálogo

- Cara, parei o carro ali no estacionamento, né?

- Hã.

- Sabe quem eu encontrei?

- Quem caraio?

- O Doutor Segurança, o Jorge…esqueci o sobrenome…

Caramba, o Lordello tá na Berrini! Preciso ir lá encontrar o cara!

Encorajado por Bruno (“Vai lá logo antes que o cara vá embora”. Foram essas as palavras de apoio), chamei o elevador que demorou uma eternidade para chegar, e ainda mais para descer ao térreo (trabalhava no 12º andar).

Chegando ao térreo, já acelerei o passo e fui em direção à padaria, que era no final da avenida, extremamente preocupado com a possibilidade do Doutor Segurança ter ido embora. Conforme eu fui chegando perto do destino, me veio uma importante questão:

O que eu ia inventar de desculpa pra falar com o cara? Não podia aparecer lá do nada e já pedir um autógrafo!

Fiquei apreensivo na hora, e quando cheguei à calçada da padaria não consegui ver se o Lordello estava lá. O cara tinha embora, era só o que faltava… Mas eu tinha que tentar, ver se ele realmente estava lá dentro.

Entrei, peguei a comanda e eis que eu vejo o homem em pé, mexendo no celular com uma certa dificuldade. Jorge Lordello é um cara alto, mas alto mesmo, tô zuando não.

“Beleza, Lordello tá ali! E agora, o que eu faço?” foi o único pensamento que me veio à mente na hora.

Olhei tudo ao redor e falei pro carinha do balcão me ver um suco de laranja em garrafinha pra viagem. O cara falou que eram 7 reais, e na hora eu senti meu bolso e meu coração doerem um pouco.

Em uma atuação digna de Murilo Benício, eu parei exatamente ao lado do Doutor Segurança e falei em direção a ele “Caramba, Jorge Lordello! Sou seu fã do Twitter! Que inesperado encontrar você aqui!”.

Foi algo parecido nesse nível de atuação:

O apresentador abriu um sorriso e ficou extremamente feliz de ter encontrado um dos seus seguidores do Twitter. Lordello foi muito simpático e começamos a falar da rede social, me contando com muita empolgação o quanto a curtia. Também me confidenciou que tinha acabado de trocar de celular e estava com dificuldades de mexer no aparelho, pois não estava acostumado.

Perguntei o que ele fazia na Berrini e ele me contou que estava ali para dar uma palestra sobre os rolezinhos que estavam na moda. O Doutor Segurança perguntou minha opinião sobre tal movimento popular e eu defendi a ideia, algo que não o alegrou muito. Acho que ele não esperava que eu concordasse, sei lá.

Pedi para tirar uma selfie e o desejo foi prontamente atendido!

Esse dia foi louco

Agradeci ao bom doutor e falei que tinha que ir trabalhar e ele afirmou que tinha que palestrar. Apertei sua mão e fui embora feliz. Chegando ao trampo, contei pros meus amigos a aventura e postei a foto feliz no Instagram.

Eis que abro meu Twitter e Lordello também resolveu comentar o encontro na sua rede social predileta:

Sector? Caramba, meu nome tá escrito errado. Mas foi nada demais, pega nada.

Aparentemente na RedeTV eu só posso ser chamado de Matheus Lameri, conforme você descobriu aqui. É uma regra de lá.

O doutor tava muito emocionado mesmo pelo visto. E ainda elogiou minha saúde!

O corretor ortográfico de Lordello estava muito louco e me confundiu com uma grande personalidade. Eu não conseguia conter a alegria.

QUASE acertou, mas quem se importa? O Lordello me elogiou e ainda fez cinco tweets sobre o nosso encontro!

Definitivamente um dia que ficará gravado na minha memória para sempre. E agora na internet também.

Se você gostaria de ver uma entrevista do Jorge Lordello aqui nesse espaço, por favor entre em contato na arroba @jorgelordello no Twitter e peça por isso.

Já se você gostou do texto por favor clique no botão de recomendar ao fim da matéria. Aproveite e troque uma ideia comigo no Twitter @matheuslaneri ou no meu Facebook. Ficarei feliz em falar com você.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.