Uma carta aberta à Secretaria de Educação de Sorocaba.

Luiz Zetti — Jornal Cruzeiro do Sul/Reprodução

Um fato interessante da internet é que todo mundo pode ser metido à crítico de cinema, escritor, sociólogo ou pedagogo. Pois então neste texto focarei em ser metido a pedagogo.

À SEDU,

Quando li que a SEDU (Secretaria de Educação de Sorocaba) tem intenções em descontinuar o ciclo final do ensino fundamental e o ensino médio das escolas municipais (e meu enfoque será neste último), confesso que tentei avaliar as justificativas e elas podem de certo modo são plausíveis.

[…] A LDB prevê, em seu artigo 11, inciso 5º, que o município é obrigado a “oferecer a educação infantil em creches e pré-escolas, e, com prioridade, o ensino fundamental, permitida a atuação em outros níveis de ensino somente quando estiverem atendidas plenamente as necessidades de sua área de competência e com recursos acima dos percentuais mínimos vinculados pela Constituição Federal à manutenção e desenvolvimento do ensino”

O excerto do site do Jornal Cruzeiro do Sul mostra o principal argumento da Secretaria, e ele realmente é válido. Quero então dissertar pelas próximas linhas o porquê de embora válido, não é a melhor atitude a ser tomada.

Das quatro escolas que oferecem o Ensino Médio, a metade situa-se entre as seis melhores escolas públicas de Sorocaba (utilizando o ENEM 2014 como índice). Utilizando o IDEB 2013 como parâmetro, também nos anos finais do Fundamental as escolas municipais são superiores às estaduais.

Então alguém sagazmente vai dizer: então devemos melhorar as escolas estaduais, afinal a esmagadora maioria dos alunos estão lá.

Sim, a pessoa que disser isto estará coberta de razão. Porém enquanto este dia não chega, por que mudar o que está relativamente dando certo? Na minha perspectiva de aluno que estudou todo o Ensino Fundamental no Achilles de Almeida, os defeitos da escola que pude assistir enquanto estava lá eram todos pontuais, e não estruturais. O Achilles funciona! E a SEDU quer tirar a chance, mesmo que dos poucos alunos que porventura teriam a oportunidade de lá estudarem, de conhecerem a fantástica escola que o Achilles foi para mim. Mesmo que apenas 4% dos alunos, segundo dados do Cruzeiro, estudem neste período, pelo menos 4% talvez tenham a chance de um ensino que talvez seja um pouquinho melhor.

Parênteses. Aqui não quero desmerecer as escolas estaduais, apenas dizer que é possível prever com mais precisão se determinada escola vai ser boa (não importando o que você entenda como boa) escolhendo uma escola municipal ou estadual aleatória. A diferença entre a melhor estadual e a pior estadual é muito maior do que a diferença entre a melhor municipal e a pior municipal, novamente sem importar o que você defina como bom ou ruim. E é fácil dizer o porquê disto, pois o universo de escolas municipais que estamos avaliando é muito menor, então para administrar também é mais fácil (e que elas são próximas ao centro, mas este é papo para outro dia)

Mas aqui vem o agravante que me deixa ainda mais angustiado. O Ensino Médio.

Ao fim do Ensino Fundamental vão existir alunos que academicamente são melhores que outros e de uma perspectiva pragmática e tudo mais, é razoável dizer que estes alunos possam ocupar as melhores vagas para terem um ensino um pouquinho melhor.

Parênteses novamente. Eu acredito que todos sem exceção deveriam ter acesso às mesmas oportunidades, mas na falta de oportunidades iguais a todos, o melhor que podemos fazer é deixar que elas sejam ocupadas pelos que melhor irão ocupa-las. É este o conceito de vestibular.

Mas as poucas oportunidades de ensino gratuito um pouquinho melhor estão em processo de mudança. O Colégio Politécnico de Sorocaba não é mais gratuito. As ETECs Fernando Prestes e Rubens de Faria e Souza terão a partir do próximo ano cada uma apenas uma turma de ensino médio, sendo que as totais 320 vagas restantes são de Ensino Médio integrado ao técnico. Pode parecer que não, mas o Ensino Médio integrado ao técnico muda o perfil dos alunos que ingressam nestas cadeiras. Então o aluno que gostaria de apenas se dedicar à vida acadêmica, de trabalhar no contra-turno ou ainda o aluno que não encontra nos cursos técnicos oferecidos o técnico o qual ele gostaria de ingressar, este aluno terá seus horizontes limitados. E nas escolas municipais que neste momento surgem como um reduto para o Ensino Médio de qualidade (novamente não dizendo que não existam escolas estaduais boas, mas a inconstância é maior), então o Ensino Médio é retirado.

A conclusão é a seguinte: na ausência de oportunidade para todos, preservemos ao menos as poucas que temos. Se isto infringe a Lei, como disse o secretário, então basta que não aumentemos o descumprimento, não criando novas salas.

Você que considerou as minhas reflexões acerca do assunto razoáveis, compartilhe o texto para trazer mais pessoas para o debate.

SEDU, espero que ponderem sobre o tema e que a razão caia sobre vocês para que tomem a decisão certa. Aos alunos destas escolas, espero que não se calem e hajam para dissuadir os interesses dos governantes que são contrários aos do povo.