Quero um bichinho! E agora???

Adquirir a tutela de um animal é um grande compromisso, mas muitas vezes as pessoas compram ou adotam animais por impulso, sem nem lembrar que o animal pode viver por anos e anos.


Tem de saber que esse animal pode viver 10, 15 anos, e não pode, de maneira nenhuma, ser abandonado! (Rubem Bittencourt,veterinário)

“Achar bonitinho” não é o único ponto que se deve considerar para levar um animal para casa! Observe se você tem espaço para o bichinho, tempo o suficiente para se dedicar à ele e condições de mantê-lo. Os animais precisam sempre de atenção, para que se mantenham saudáveis. No tempo em que estiverem sob seus cuidados, podem ter qualquer tipo de problema. É preciso que você esteja sempre disposto à levá-los ao veterinário, principalmente se notar algo diferente no comportamento dele.

Se você já tem animais em casa, precisa pensar na compatibilidade entre eles e o novo animal, para que nenhum deles precise viver trancado depois. Também é importante conversar com todos os moradores da sua casa, e só adote se todos estiverem de acordo com a adoção. Isso evitará possíveis futuros conflitos, e o mais importante: evitará que você precise se desfazer do animal mais tarde.


Mas que animal devo escolher?

O próximo passo é escolher que animal a família vai acolher: Um cachorro? Um gato? Um peixinho? Se for um cachorro, qual a raça?


“É importante escolher a raça de acordo com a possibilidade da família. Precisa prestar atenção ao tamanho do apartamento”. (Rubem Bittencourt,veterinário)

Quem quer um animal de estimação deve escolher a espécie certa para sua família, conversando com todos da casa e ter em mente que a atitude mais sustentável é adotar um animal que foi tirado das ruas. Mas mesmo sabendo todas as vantagens da adoção, não podemos negar: existem raças de animais que enchem nossos olhos. O focinho comprido do setter irlandês, a majestade do maine coon… a lista é grande. Eles são lindos, mas comprar um animal saudável e criado de forma correta não é tão simples quanto parece.

Na hora de escolher, também é importante lembrar que existem várias ONGs de adoção de animais. Além de sair mais barato, quem adota ainda tira um bichinho da rua! Procure uma na sua cidade e conheça os animais disponíveis.

Os criadores responsáveis de raças são poucos. O que mais se encontra por aí são “fabricantes” de raças: pessoas que colocam os animais para cruzar precocemente, mais vezes por ano do que suportam, com parentes diretos (filhos, irmãos, primos, etc), sem se importar com doenças genéticas e vivendo em péssimas acomodações. Tudo para produzir filhotes sem parar, visando apenas o lucro.

Se quiser um animal silvestre, procure criadores certificados pelo Ibama. Não contribua com o tráfico, pois é uma prática que degrada o meio ambiente e é uma forma de maus-tratos aos animais.

Cada espécie/caça tem suas características, pesquise para saber a que melhor vai atender as suas necessidades!


Referencial: http://www.petrede.com.br; http://www.ecycle.com.br; http://gshow.globo.com;