Análise do discurso de posse de Jair Bolsonaro

O discurso é raso, mas vale deixar anotado aqui para referências futuras…

Amigas e amigos de todo o Brasil, é com humildade e honra que me dirijo a todos vocês como presidente do Brasil.
E me coloco diante de toda a nação, neste dia, como o dia em que o povo começou a se libertar do socialismo, da inversão de valores, do gigantismo estatal e do politicamente correto.

Bolsonaro inicia indicando-se como início do movimento de transição para que o País se afaste de:

  • socialismo
  • inversão de valores
  • gigantismo estatal
  • politicamente correto

Aos que votaram em Bolsonaro por ele ser "de direita", o tal "gigantismo estatal" é o único valor que confere com a noção de direita econômica. Mas notemos a frase "começou a se libertar do". Ela só faz sentido se estivéssemos presos ao socialismo. Bolsonaro quer fazer acreditar que o país, até sua posse, era socialista. Ou seja, no Brasil haveria coletivização dos meios de produção e não haveria diferença entre classes. Voltaremos a isso mais tarde.

As eleições deram voz a quem não era ouvido.
E a voz das ruas e das urnas foi muito clara.
E eu estou aqui para responder e, mais uma vez, me comprometer com esse desejo de mudança.

O conetivo "e" empregado é chave da construção de texto de Bolsonaro. O conetivo "e" indica ligação. Mas essa ligação é abstrata demais. Não é causa, não é sequência. Mas dá a ideia de causa e de sequência. Por que isso é importante?

Porque parte essencial da retórica de Bolsonaro é dar a entender alguma coisa sem realmente se comprometer com coisa alguma.

É como uma linguagem direta com seu público, com palavras-chave que eles entenderiam, enquanto ao mesmo tempo não explicita as ligações lógicas e causais em sua fala. "As eleições deram voz a quem não era ouvido", mas quem não era ouvido? Bolsonaro quer dar a entender que seu eleitor não era ouvido, mas não especifica quem é este eleitor. Pode ser o misógino, o religioso, o autoritário, mas pode também ser o pobre desprivilegiado, o negro marginalizado. Todos têm o direito de se sentirem representados, enquanto Bolsonaro não indica representar nenhum deles. "E a voz das ruas e das urnas foi muito clara", para quem? Tão clara que ele não pode repetir? Não consegue repetir?

Na verdade, as ruas pediram pautas conflitantes desde 2013. Não há nada de claro. "E eu estou aqui para responder e, mais uma vez, me comprometer com esse desejo de mudança", isso coloca Jair Bolsonaro com ponto de autoridade. Outra questão essencial da retórica de bolsonarista. Até aqui, no discurso, Bolsonaro se coloca como autoridade outorgada "pelas ruas e pelas urnas" sem dizer quem o autorizou nem a que foi autorizado. Coloca-se como centro da autoridade, ou seja, é um discurso claramente autoritário.

Também estou aqui para renovar nossas esperanças e lembrar que, se trabalharmos juntos, essa mudança será possível.

Aqui Jair Bolsonaro coloca o papel do povo em acompanhá-lo. "Juntos", mas a autoridade já foi concedida a ele, não ao povo que deve acompanhá-lo.

Respeitando os princípios do estado democrático de direito, guiados por nossa Constituição e com Deus no coração, a partir de hoje, vamos colocar em prática o projeto que a maioria do povo brasileiro democraticamente escolheu, vamos promover as transformações de que o país precisa.

É preciso uma pausa importante aqui, porque esses pontos são repetidos à exaustão.

  1. Estado democrático de direito: assim com Dilma, Temer e Lula evocaram para se defender, Bolsonaro evoca seu governo como parte do "estado democrático de direito", ao contrário do parlamento, que insiste em "valores republicanos". Democrático significa que o povo vota. Republicano significa que o povo escolheu um representante que vota em nome deles. A diferença é sutil, mas importante. Os presidentes insistem que a voz do povo é atendida, seu poder é a própria voz do povo, como poder messiânico. Já o parlamento, em oposição, insiste que eles é que foram escolhidos pelo povo, que não exerce poder direitamente, mas deixa que os parlamentares escolham em seu nome.
  2. "A maioria do povo brasileiro democraticamente escolheu": mentira. Jair Bolsonaro recebeu menos de 1/4 dos votos dos brasileiros. Se contarmos apenas os aptos para votar, recebeu pouco menos de 40%. Nunca "a maioria". Na verdade, a maioria queria outra coisa, ele não (com trocadilho).
  3. "As transformações de que o país precisa": quais? De novo, não há nada claro no discurso. É quase como se Jair Bolsonaro usasse essas desculpas para construir para si mesmo uma carta branca para governar como quiser.
Temos recursos minerais abundantes, terras férteis abençoadas por Deus e um povo maravilhoso.
Temos uma grande nação para reconstruir e isso faremos juntos.

Aqui vemos ufanismo. Bolsonaro infla o ego do seu público ao mesmo tempo em que usa "reconstruir". Já vimos isso antes? Como em "Make America Great Again"?

Os primeiros passos já foram dados.
Graças a vocês, eu fui eleito com a campanha mais barata da história.

“Graças a vocês” coloca o ouvinte como parceiro. Mas paira a suspeita de uso de caixa dois para financiamento de campanha digital — dinheiro de terceiros utilizado diretamente para ganhos através de promoção do candidato.

Graças a vocês, conseguimos montar um governo sem conchavos ou acertos políticos, formamos um time de ministros técnicos e capazes para transformar nosso Brasil. Mas ainda há muitos desafios pela frente.

Os ministros indicados por Bolsonaro não só são macacos velhos da política como são alvos de investigação em diversos processos. Alguns aqui:

Não podemos deixar que ideologias nefastas venham a dividir os brasileiros. Ideologias que destroem nossos valores e tradições, destroem nossas famílias, alicerce da nossa sociedade.

Pede pela união, não nomeia as "ideologias nefastas". Reforça "tradição" e "família" como valores. Mesmo discurso da Marcha pela Família com Deus pela Liberdade em 1964. Não mudamos nada, pelo jeito.

Aqui, ao colocar a família como "alicerce", Bolsonaro exclui propositalmente qualquer construção social que não seja pai-homem, mãe-mulher, filhos biológicos. Claro que ele não fez isso, você vai me dizer. Pois é. A questão é essa. A construção do significado da palavra "família" é social, quer queiram ou não os apoiadores de Bolsonaro.

Ao não nomear as diversas construções possíveis de família, Jair Bolsonaro quer que seu público compreenda apenas um tipo de família seja compreendido como válida. Ao mesmo tempo, ao não nomear nenhum tipo de construção possível de família, Jair Bolsonaro quer evitar se comprometer com esse significado. Se o acusarmos de "homofóbico" por excluir famílias criadas a partir de união homoafetiva, dirá que não disse isso. Não nesse discurso, pelo menos, não assim em público, onde suas palavras poderiam ser cobradas um dia.

E convido a todos para iniciarmos um movimento nesse sentido. Podemos, eu, você e as nossas famílias, todos juntos, reestabelecer padrões éticos e morais que transformarão nosso Brasil.

"Um movimento nesse sentido". Que tipo de movimento? Em que sentido? A construção "padrões éticos e morais" só veio depois de estabelecer família como "alicerce" e tradição como algo essencialmente associado a "família".

A corrupção, os privilégios e as vantagens precisam acabar. Os favores politizados, partidarizados devem ficar no passado, para que o governo e a economia sirvam de verdade a toda Nação.

De novo, Bolsonaro já escolheu seus ministros com políticos de carreira longa e corrupta. Ainda assim, acha que, ao afirmar que vai acabar com os marajás — digo — privilégios, o seu público vai acreditar. Uma mentira repetida milhares de vezes…

Tudo o que propusemos e tudo o que faremos a partir de agora tem um propósito comum e inegociável: os interesses dos brasileiros em primeiro lugar.

Quais interesses? Bolsonaro referendou esses interesses? Os interesses são conhecidos por ele, apenas ele, e ele não os conta para ninguém. Assim, mantém para si a autoridade de saber e poder agir a favor desses interesses.

O brasileiro pode e deve sonhar. Sonhar com uma vida melhor, com melhores condições para usufruir do fruto do seu trabalho pela meritocracia. E ao governo cabe ser honesto e eficiente.

Meritocracia é uma palavra nova para um conceito antigo. Historicamente, se chamava "aristocracia". A aristocracia surge no meio militar grego, mas evolui para a "aristocracia" da Idade Média. Como? Porque o que inicialmente eram títulos ganhos por serem "os melhores" (aristos) vieram a ser passados de pai para filho, deixando que os herdeiros se achassem melhores simplesmente por serem filhos de reis, duques, marqueses… Da mesma forma, a "meritocracia" de hoje é uma ideia que não se sustenta, simplesmente porque se vale do mesmo processo de herança. O rico deixa mais para seus filhos, que passam a achar que tiveram "mérito" para chegar onde chegaram.

Apoiando e pavimentando o caminho que nos levará a um futuro melhor, ao invés de criar pedágios e barreiras.

Acho que ele quer dizer "diminuir impostos", mas isso significaria uma promessa com compromisso. Ao não dizer "diminuir impostos", nunca poderá ser cobrado por prometer uma coisa que não disse em voz alta.

Com este propósito iniciamos nossa caminhada. E com este espírito e determinação que toda equipe de governo assume no dia de hoje.
Temos o grande desafio de enfrentar os efeitos da crise econômica, do desemprego recorde, da ideologização de nossas crianças, do desvirtuamento dos direitos humanos, e da desconstrução da família.

Palavras-chave:

  1. ideologização de nossas crianças
  2. desvirtuamento dos direitos humanos
  3. desconstrução da família

Voltaremos em seguida.

Vamos propor e implementar as reformas necessárias. Vamos ampliar infraestruturas, desburocratizar, simplificar, tirar a desconfiança e o peso do Governo sobre quem trabalha e quem produz.

Aqui repete sobre diminuir o estado, provavelmente a única promessa pela qual ele vai ser cobrado. Porque, se o povo não tem poder para cobrar nada, os empresários que ajudaram a eleger Jair Bolsonaro vão cobrar a parte que lhes cabe.

Também é urgente acabar com a ideologia que defende bandidos e criminaliza policiais, que levou o Brasil a viver o aumento dos índices de violência e do poder do crime organizado, que tira vidas de inocentes, destrói famílias e leva a insegurança a todos os lugares.
Nossa preocupação será com a segurança das pessoas de bem e a garantia do direito de propriedade e da legítima defesa, e o nosso compromisso é valorizar e dar respaldo ao trabalho de todas as forças de segurança.

Repetindo que a culpa é dos Direitos Humanos e adicionando rapidamente a pauta armamentista, assim, rapidinho, para ver se ninguém nota.

Pela primeira vez, o Brasil irá priorizar a educação básica, que é a que realmente transforma o presente e o futuro de nossos filhos e netos, diminuindo a desigualdade social.

"Nunca antes na história deste País…", diz Lula Bolsonaro, o populista.

Temos que nos espelhar em nações que são exemplos para o mundo e que por meio da educação encontraram o caminho da prosperidade.

Ele vai investir em educação? Não, acho que não. Só se espelhar mesmo…

Vamos retirar o viés ideológico de nossas relações internacionais.

Não existe "retirar o viés ideológico". A ideologia do outro é sempre ideologia, enquanto a nossa ideologia é a neutra. Bolsonaro está dizendo que vai substituir a ideologia atual por outra. Mas qual? Obviamente, ele não vai deixar clara qual. Mesmo que ele faça tudo exatamente igual — pois não disse o que vai fazer — vai dizer que fez diferente só porque não é "ideologia".

Vamos em busca de um novo tempo para o Brasil e os brasileiros!

Esse motivo vem aumentando. Eu acho meio Messiânico, estou na dúvida se parte dele ou da bancada evangélica que o acompanha. É o motivo da "nova era".

Por muito tempo, o país foi governado atendendo a interesses partidários que não o dos brasileiros. Vamos restabelecer a ordem neste país.
Sabemos do tamanho da nossa responsabilidade e dos desafios que vamos enfrentar. Mas sabemos aonde queremos chegar e do potencial que o nosso Brasil tem. Por isso vamos dia e noite perseguir o objetivo de tornar o nosso país um lugar próspero e seguro para os nossos cidadãos e uma das maiores nações do planeta.

"Sabemos do tamanho da nossa responsabilidade"… "Sabemos aonde queremos chegar"… Mas não diz quais são as responsabilidade ou qual o caminho. Essa ocultação, como em todo o texto, só sustenta a autoridade de Bolsonaro como o único certo, ao mesmo tempo em garante total falta de compromisso.

Podem contar com toda a minha dedicação para construir o Brasil dos nossos sonhos.
Agradeço a Deus por estar vivo e a vocês que oraram por mim e por minha saúde nos momentos mais difíceis.
Peço ao bom Deus que nos dê sabedoria para conduzir a nação.
Que Deus abençoe esta grande nação.
Brasil acima de tudo, Deus acima de todos.

Finaliza não só pondo a culpa nos seus eleitores (vocês que oraram por mim) e em Deus (Agradeço a Deus por estar vivo). Confirma o slogan, insistindo no nacionalismo, dando adeus ao estado laico.