10 Livros para Entender a Política Externa Brasileira

Uma aluna me pediu indicações de leitura sobre política externa brasileira e esse foi o estopim que me estimulou a escrever este texto. Leciono a respeito do tema há mais de 10 anos e com frequência lamento o contraste entre a boa literatura acadêmica especializada e o nível muitas vezes decepcionante do debate público. Esta breve lista é um breve incentivo aos que estão interessados em entrar nessa conversa para torná-la mais interessante.

1)História da Política Exterior do Brasil, Amado Cervo e Clodoaldo Bueno

Cervo e Bueno são dois professores e pesquisadores fundamentais na construção do campo acadêmico das Relações Internacionais no Brasil. Este é o manual clássico que sintetiza o tema em um volume. Sugiro sua leitura como um passo inicial para conhecer as principais fases da política externa brasileira, e tê-lo como referência para buscar obras mais especializadas a respeito dos períodos ou assuntos que mais lhe interessarem.

2)Navegantes, Bandeirantes, Diplomatas, Synesio Sampaio Góes

Um dos pré-requisitos para um diplomata de carreira ser promovido a embaixador é fazer o Curso de Altos Estudos no Ministério das Relações Exteriores, ao fim do qual apresenta uma tese. Muitos desses trabalhos são de excelente nível e são posteriormente publicados pelo Itamaraty e disponibilizados gratuitamente na Internet, como no caso desta obra. O embaixador Góes narra com clareza e objetividade a história da definição das fronteiras do Brasil, desde as disputas diplomáticas pelo tratado de Tordesilhas entre Portugal e Espanha, passando pelo desenvolvimento dos conceitos-chave como o uti-possidetis e a vinculação das negociações fronteiriças com discussões sobre livre navegação dos rios internacionais na América do Sul.

3)Maldita Guerra: nova história da guerra do Paraguai, Francisco Doratioto.

A guerra do Paraguai foi aquela na qual os soldados brasileiros mais mataram e morreram. O tema é menos estudado do que deveria e o belo livro de Doratioto é um esforço importante para preencher essa lacuna, eliminando mitos acerca do conflito e dando um bom panorama da complexa diplomacia do Brasil na bacia do Rio Prata ao longo do século XIX, quando a região era essencial para o processo de consolidação territorial do país.

4)O Barão do Rio Branco, Álvaro Lins

Rio Branco é o mais importante diplomata da história do Brasil, por seu papel decisivo na resolução pacífica dos contenciosos de fronteira do país - alguns deles, como a disputa do Acre com a Bolívia, muito difíceis e envolvendo interesses comerciais dos Estados Unidos. Suas negociações garantiram ao território nacional uma área maior do que a da Alemanha e França somadas. O barão é o tipo de personalidade que mereceria uma biografia a cada geração, cada uma incorporando métodos de pesquisas, novas fontes, olhares diferenciados. Infelizmente, não é isso o que ocorre. O trabalho de Lins é um clássico publicado em 1945 e que, na falta de obras contemporâneas, fica como a leitura recomendada.

5)O Brasil e a Liga das Nações (1919–1926), Eugênio Vargas Garcia

No início do século XX o Brasil fez sua estreia na diplomacia multilateral, com a participação na Segunda Conferência de Paz de Haia (1907) e após o envolvimento na Primeira Guerra Mundial, como o mais importante representante das Américas na recém-criada Liga das Nações. A experiência foi conturbada, mostrando de um lado diplomatas hábeis e bem-preparados e, de outro, pressões políticas domésticas exacerbadas que levaram o país a romper com a Liga quando lhe foi negado um lugar em seu conselho permanente.

6)Autonomia na Dependência: a política externa brasileira de 1935 a 1942, Gerson Moura

Como Getúlio Vargas explorou a tensão entre Alemanha e Estados Unidos antes da eclosão da Segunda Guerra Mundial para extrair dos americanos concessões como o apoio ao projeto de industrialização brasileiro e à modernização das Forças Armadas. Moura foi um grande talento cuja morte precoce teve consequências bastante negativas para o desenvolvimento da reflexão brasileira acerca desse período.

7)Hotel Trópico: o Brasil e o desafio da descolonização africana, 1950–1980, Jerry Dávila

Dávila é um historiador americano especializado em questões raciais no Brasil, seu estudo sobre a diplomacia do país diante das lutas pela independência das nações africanas é uma obra excelente, que vai muito além das fontes tradicionais. Mostra as contradições da política externa oficial - a fragilidade do discurso de “democracia racial”, as tensões com Portugal, que ainda tinha colônias no continente - e o vigor da música e do cinema que buscavam valorizar a herança afro-brasileira ao mesmo tempo em que questionavam as injustiças e desigualdades do Brasil.

8)Kissinger e o Brasil, Matias Spektor

Spektor é o acadêmico mais dinâmico da minha geração e tem sido um importante renovador da área de Relações Internacionais, implementando novos métodos e escrevendo uma coluna a respeito da política externa brasileira no jornal Folha de São Paulo. Todos os seus livros são muito bons, este é meu favorito - um estudo acerca de como o Brasil da ditadura buscava o reconhecimento dos Estados Unidos como uma potência emergente, em especial por suas ambições no Terceiro Mundo, e como e por que em grande medida esse projeto falhou.

9) O Punho e a Renda, Edgar Telles Ribeiro

Este romance do embaixador Telles Ribeiro trata do papel do Ministério das Relações Exteriores na repressão política durante a ditadura. Ele conta a história de um diplomata que faz uma carreira meteórica por sua disposição a aplicar os métodos do regime autoritário, sobretudo por meio de ações em outros países sul-americanos como Chile e Uruguai. E, à brasileira, continua a prosperar sob a democracia. O autor jura que não se baseou em ninguém especificamente, mas ex-presos políticos já me disseram que identificaram o modelo do protagonista. Muito do que está na ficção foi confirmado pelas investigações da Comissão Nacional da Verdade.

10) El Lugar de Brasil en La Política Exterior Agentina, Roberto Russell e Juan Gabriel Tokatlian

Minha tese de doutorado foi sobre as relações entre Argentina e Brasil e morei por um semestre em Buenos Aires, onde fui aluno de Russell. A rigor, este é um livro sobre política externa argentina, que cobre muito bem mais de um século de conflitos e aproximações bilaterais e faz ótima análise das perspectivas dos dois países. É lamentável que uma obra tão importante ainda não tenha sido traduzida para o português.

Espero que esta pequena lista estimule a vontade dos leitores em conhecer mais sobre este tema. Ela poderia ter facilmente o dobro ou o triplo do tamanho e incluir, por exemplo, as numerosas memórias de ex-ministros das Relações Exteriores - muitas são excelentes.

Meus próprios artigos sobre política externa brasileira tratam sobretudo das relações do país com outras nações latino-americanas, além de sua agenda para direitos humanos e democracia. Eles estão disponíveis na minha página no site Academia.edu.

Recomendo também o acompanhamento de periódicos especializados, como a Revista Brasileira de Política Internacional e a revista Política Externa.

A single golf clap? Or a long standing ovation?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.