13/03: Eu sou Bundão

Caro manifestante,

Olá, eu sou o Bundão — de acordo com você, porque eu não vou participar das manifestações. Não importa o que eu fiz, o que eu faço ou o que vou fazer pelo Brasil. Da mesma forma que, de acordo com os “comunas” se você discorda com o que eles pregam, você é “coxinha”, “fascista”, “psdbista” e “contra os pobres”, você já sai rotulando quem não entra no seu movimento de “bundão” (update: ou também “PTista”, ou “isentão”). Parabéns, você se nivelou a quem tanto critica.

Mas vamos parar de falar de você, vamos falar de mim. Por que eu não vou à manifestação? Simplesmente porque não acredito nela. Vou resumir pois sei que você está muito ocupado “mudando o país”.

Antes de mais nada, entenda que alguém não comparecer às manifestações não significa que é contra o impeachment. Sim, eu sou a favor do impeachment, assim como a de uma limpeza de toda essa corja de ladrões que dominam a política brasileira. A questão é se acredito que essas manifestações vão adiantar alguma coisa. Acredito que pouca coisa, muito pouca.

O brasileiro herdou essa cultura de manifestações desde os tempos de ditadura. Se funcionou alguma coisa naquela época, não posso dizer. Os livros de história dizem que sim, algumas pessoas dizem que não, mas não presenciei aquele momento, não posso concluir. Mas daquele tempo para cá, o Brasil se manifestou sempre, e nada adiantou. Lembra do Collor? Onde ele está agora? O que ele tem aprontado? E não duvido nada que daqui alguns anos teremos Lula presidente novamente.

“Ah mas agora é diferente, nunca na história desse país o movimento foi tão grande! E precisamos mostrar números para a mídia e para os governantes verem a nossa força!”

A grandiosidade de uma manifestação sempre será medida pelo número de manifestantes. Isso é óbvio. Agora fica a pergunta, toda vez que o povo estiver insatisfeito com alguma coisa do governo vai ter que bater recorde de manifestantes nas ruas? Isso é insustentável, o próprio brasileiro já mostrou isso. Sai nas ruas a cada 10 ou 20 anos e depois cansa, e a casa continua uma bagunça até estourar a próxima bomba.

Enquanto o povo não tomar vergonha na cara de mudar o próprio comportamento brasileiro de ser, o Brasil vai continuar nessa crise eterna. E sem reforma política, fica impossível arrumar o governo.

“Mas você, geração Nutella, também quer tudo de uma vez? Primeiro o impeachment, depois a gente vê o que faz!”

Estou torcendo para que haja sim um impeachment e que vocês continuem a batalha para arrumar esse Brasil. Vou gritar “GOL!” assim que ver pela TV que tudo deu certo, assim como você faz ao ver seu time jogando sem ir ao estádio. Mas pelo que conheço de você, assim que a presidente for impeachmada (se for), você volta para a sua cova até a próxima geração. Pode até não ser por comodismo, mas uma hora sua energia acaba e tudo volta ao normal.

Enfim. Você tem todo o direito de se manifestar. E pode chamar os outros de “bundão”, só não espere ser respeitado.

Desejo a você uma ótima manifestação. Bons selfies com a PM e bom retorno para casa para assistir seu ego sendo massageado na televisão.

Um abraço, Bundão.