Daí saiu notícia de que querem fazer um reboot de Matrix e eu não sei o que pensar sobre

“Matrix”, de 1999, foi um divisor de águas no cinema. Depois que as famosas cenas em câmera lenta foram vistas, todos os filmes de ação tinham que ter algo parecido. Além do visual memorável, da trilha sonora incrível e das cenas de luta impressionantes, o roteiro do filme foi capaz de criar legiões de fãs no mundo inteiro, criando desde teorias da conspiração sobre nós já vivermos em uma realidade virtual até possibilidades sobre como pode ser nosso futuro.

Na época em que foi lançado, a internet estava bem no começo de sua popularização, os sites ainda eram feitos no Frontpage e hospedados no GeoCities e as pessoas tinham medo de pegar um vírus de computador e acabarem indo parar no hospital. Dessa forma, todo o hype criado em cima do filme fez tanto sentido e serviu para a sua popularização, o que fez o filme ganhar o status de cult e ser considerado um dos melhores filmes de todos os tempos.

Hoje a situação é um pouco diferente. Boa parte da população está em contato constante com a internet. Embora ainda exista o medo de que suas informações sejam “roubadas” por hackers que queiram descobrir o que você fez nas últimas férias, os vírus de computador se tornaram mais ferramentas que utilizam o processamento de seu computador para gerar bitcoins para algum russo maluco do que algo que possa destruir seu HD e acabar com as lembranças dos últimos aniversários que estavam numa pastinha cheia de fotos perdida no meio de outros arquivos.

Assim como em “O Exterminador do Futuro”, uma ideia de que as máquinas iriam dominar o mundo não funciona tão bem para a sociedade atual. Ainda existem aquelas pessoas que acreditam que as inteligências artificiais (IAs) vão se rebelar contra seus criadores e os escravizarem, mas a realidade sobre IA é muito mais de um programa auxiliar na resolução de problemas a partir de dados coletados e que é melhorada a partir da intervenção humana do que de máquinas que vão de fato criar uma sociedade e tornar a humanidade suas baterias — como já foi explicado internet afora que não é possível, já que os seres humanos não geram muito mais energia do que para a sua própria existência.

Bem, já fazem 18 anos que o filme foi lançado e, assim como tantos outros filmes que nós chamamos de clássicos, já é um tempo suficiente para a industria do cinema fazer um reboot ou um remake. A questão principal é que seja feita com uma ideia nova, com elementos que realmente valham a pena a criação de um novo filme. Embora Matrix mesmo teve duas continuações que o público em geral não curte muito — eu gosto, acho que cada uma tem um charme especial — , talvez seja uma mania do público de se apegar tanto a seus personagens e histórias — eu me incluo nisso! — , assim como foi quando lançaram “O Espetacular Homem-Aranha” e houve todo um rage contra o novo Homem-Aranha (não vou nem discutir os pontos bons e ruins da franquia mais recente, mas é um exemplo de que remakes e reboots acontecem!).

Até o momento, nem as Wachowski nem Keanu Reeves estão cotados para o projeto, muito pelo contrário, o que pode significar que o filme siga uma linha diferente e não ser apenas mais do mesmo — o que não necessariamente é bom, mas é um ponto a se pensar!

Vamos aguardar mais notícias e informações, pois já existiram vários rumores de continuações, prequels e reboots de Matrix ao longo dos anos e não passaram de suposições.

Enquanto isso, ficamos aqui no deserto do mundo real (ou na realidade virtual, como preferir!).

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Maycow’s story.