Carta a mim (aos 16 anos)

Oi Maysa,

Sou eu, ou melhor, sou você.
Pensando bem, não sou não, não sou mais você. Mas eu fui, eu estive aí nessa pele e vivi todos os seus sentimentos, então me ouve e acredita: eu sei do que eu estou falando.

Calma, não vem nenhum sermão nessa carta (eu não cheguei na idade necessária para dar um bom sermão), mas tem algumas coisas que eu preciso te contar.

Antes de tudo, obrigada. Você é aquela parte de mim que mais me faz sentir saudades. Obrigada pelas memórias que você criou, elas me fizeram quem sou (o que quer que isso seja), mas antes de tudo obrigada por ter vivido tudo com tanta intensidade. Eu sei que de onde você está esse parece ser seu maior defeito mas ,acredita em mim, não é. 
Cada lágrima que você derramou (e você é bem dramática, sejamos sinceras) se transformou em memória boa de um coração tão cheio. Então fica tranquila, chore o que precisar, vá em todas as festas que sentir vontade, se apaixone quantas vezes você conseguir e descubra que estava errada em todas elas, vai ficar tudo bem.

Nessa altura a vida te oferece tantas chances que você fica desesperada e quer viver tudo ao mesmo tempo, eu sei. Queria dizer que isso passa mas vou precisar deixar essa para a carta da Maysa de 90 anos, porque ainda não descobri como não querer tudo tanto.

Ah, olhe ao seu redor agora! Tá vendo essas pessoas? Você tem bons amigos, nunca duvide disso. E aqui vai um conselho: para de pensar que amigo de verdade é o que dura para sempre. Amigos de verdade são as pessoas que farão sua vida mais feliz naquele momento, e isso pode mudar. (e vai, já adianto…) 
Eu sei que não faz sentido (já que somos a mesma pessoa) mas eu tenho um pouquinho de inveja de você: a cumplicidade e troca que você sente com suas melhores amigas nesta época e essa sensação de irmãs emprestadas é uma das melhores da vida.
 A boa notícia é que isso não acaba, mas se transforma.
Alias, você também deveria me invejar um pouquinho: tem muita gente interessante chegando por aí para compartilhar sua história com você.
Eu já pude conhecer alguns deles e sei que você vai adorar!

E Sim.O tempo vai mudar tudo, mas não vou sair te contando as coisas e fazendo perder os aprendizados então, se puder, não faça nada muito diferente do que eu fiz… O lugar em que eu cheguei pode ser assustador, cheio de dúvidas e agonia, mas é também repleto de encontros, possibilidades, sonhos e ótima companhia. 
Ah, e dá um abraço muito apertado no vôrico e na vôrica, você não imagina a falta que eles vão fazer…

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Maysa Bleinroth’s story.