DEATH AT BUTTERFLIES

Há louco pra tudo, mas tem que ser muito louco pra sentir essas borboletas no estomago e achar agradável. As borboletas devem morrer.

É automático, ao senti-las voar e flutuar e a me revirar as entranhas, um alerta é enviado por todo meu sistema nervoso avisando ao meu coração “você vai se machucar seu miserável”. As borboletas devem morrer.

No começo elas são aceitáveis, ate bem vindas, mas já fazem 44 dias, as visitas são semanais, diárias, diurnas e noturnas. Elas se agitam quando suas mensagens chegam, mas ficam ainda mais inquietas quando as mesmas mensagens não ascendem a tela do meu celular.

Conclui então que as borboletas são a linha tênue entre o medo e a paixão. O medo de te perder? Ou o medo de me apaixonar por você? Ah quem estou querendo enganar, eu já estou apaixonada!

Alguém por favor mate essas borboletas, antes que eu morra de amor. Antes elas do que eu.

Like what you read? Give Mayara Silva a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.