A Lava-Jato acabou (Parte 3)

O X da questão: O povo

A Lava-Jato perdeu a relevância, viraram os gladiadores do circo romano da ex-republica brasileira. Caiu na arena deles eles arrebentam. Mas se o imperador levantar o polegar para cima eles soltam. Se virar para baixo terminam o serviço. E o povo vai ao delírio. Não tem nenhum Spartacus lá não. É ave Cesar. E pau na máquina. Sem o apoio popular são hora o que os governos querem fazer dela: ora os inquisidores que os perseguem, ora os salvadores que nos livrar do mal. Conforme os interesses deles.

É por essas e outras que a Lava-jato acabou. Ou pelo menos acabou com certeza se não for introduzir uma nova incógnita nessa equação, ou se a único fator determinante que está tendendo a virar uma constante em favor do status quo mudar radicalmente sua tendência a população. Pode parecer que estou ainda me iludindo ou ainda espera de um milagre. Não estou.

Para concluir essa analise tentarei demostrar esse acontecimento embora improvável é inevitável, e portanto é tudo uma questão do momento, ou mais precisamente de uma somatória de circunstancias e vontades. que no momento que elas se conjugarem então com ou sem lava-jato quem já era não é a esperança de um novo Brasil mas esse sistema corrupto.

A capacidade que ela tinha de estabelecer as condições para a transformação do sistema se perderam. A Lava-Jato, abalou, os esquemas, as estruturas e as instituições do sistema e criou por algum tem uma instabilidade que obrigou tanto o governo quanto a população a se mobilizarem por seus interesses. O governo fez e está fazendo o que sabe fazer e se espera dele: está defendendo o seu osso. Os empresários gritaram e disseram que não iam pagar o pato. O povo, parou para ver a banda passar, ou melhor pagou para ver, e agora vai pagar caro pela aposta. E mais caro ainda se quiser voltar para ganhar esse jogo.

Vejam os principais fatores desse calculo político e notem como já não há mais variantes apenas constantes e mais nenhuma incógnita para produzir o resultado. Ou seja precisamos de novos fatores e eventos para virar essa batalha e inverter as tendencias do único fator que é sempre variante e por isso mesmo o determinante: o povo.

A equação política atual

A Lava-Jato nem o STF nunca foram o grande x da questão. O STF era meramente uma variável para quem não conhecia a cara do STF, agora que ela está definida virou uma constante até para nós que não dispomos de informações privilegiadas.

A grande incógnita, deste cálculos efetuado principalmente pela classe política sempre foi o povo. Ou mais precisamente o grau de indignação e revolta que poderiam alterar todo o andamento desse processo. Porém agora que suas tendencias não são mais uma incógnita, mas uma variante e essa variante apontas para tendencias claramente favoráveis ao extremismo de uma direita conservadora, que está no poder tem mais margem de manobra tanto do povo quanto das suas intervenções para retomar os esquemas e com eles o controle do sistema.

Agora só um evento capaz de mudar do dia pra noite o estado de espirito para o qual a população está sendo induzida de modo a alterar o resultado dessa equação pode abalar diretamente esse processo. Um evento que venha de fora do sistema. De dentro só um evento disruptivo, porque como dos atores institucionais sabemos não só o que eles não vão fazer como agora o que são capazes de fazer para deixar tudo como está.

Me permitam ser chato e enumerar os fatores determinantes do futuro do Brasil para eu poder explicar melhor o que estou querendo dizer. E vamos fazer essa ordenação de modo inversamente proporcional as afinidade de apoios e interesses: o povo; os movimentos sociais; os partidos políticos; o governo; o STF; forças armadas; mercado. Com a Lava-Jato ad hoc nesta equação.

Agora analisar bem breve e superficialmente esse fatores e as suas relações que os colocam mais para um lado que para o outro e que somam contra ou favor da mudança social, ou o que é a mesma coisa a preservação dos privilégios criminosos de quem controla o sistema:

O mercado

O mercado não é um incógnita nem uma variável, nem é feita de mãos invisíveis quanto eles gostariam de ser. O negócio deles é maximizar ganhos e ninguém nega isso eles pregam. Se todo mundo estiver trabalhando, pagando o deve, o lucro estiver rolando pode estar o próprio Satanás no trono e vendendo abajur de gente, não sendo feito da pele deles. Dane-se. Negócios são negócios, humanidade a parte.

STF

A corte suprema nunca foi incógnita e perdeu agora o beneficio da dúvida. Como já dissemos rasgou a fantasia e assumiu seu papel republicano de advogacia geral da bandidagem politica e econômica com foro privilegiado.

Lava-Jato

A Lava-Jato perdeu a relevância, viraram os gladiadores do circo romano da ex-republica brasileira. Caiu na arena deles eles arrebentam. Mas se o imperador levantar o polegar para cima eles soltam. Se virar para baixo terminam o serviço. E o povo vai ao delírio. Não tem nenhum Spartacus lá não. É ave Cesar. E pau na máquina. Sem o apoio popular são hora o que os governos querem fazer dela: ora os inquisidores que os perseguem, ora os salvadores que nos livrar do mal. Conforme os interesses deles.

Governo

Falando nos Cesares. Desses aí pode trocar quem for no trono que quem for minimamente lúcido vai continuar apenas com mais certezas, e menos dúvidas. Regra geral: Fica quem representa os interesses de quem tem força para os derrubar ou os manter lá. É por isso que em democracias em ascensão quem derruba os tiranos o povo e protegem seus direitos são o próprio povo E em republicas decadentes quem derruba ou mata os Cesares, são suas guardas pretorianas e a mando do Senado. E se tem tempo de dizer algo suas ultimas palavras são quase sempre “até tú Brutus?”

Mas esse Cesar cair. Não percebeu ainda? Cesar está morto. Ave [o novo] Cesar. Habemus Papam.

Partidos políticos: a classe.

Desnecessário comentários.

Movimentos Sociais

Faz tempo que os movimentos sociais ditos de esquerda são apenas apêndice e satélites e organizações para-políticas dos partidos que eles “não tem nenhuma ligação”. Agora esta claro que também os novos movimentos de direita já nasceram velhos, e iguais aos de esquerda também “não tem nenhuma ligação” como os partidos políticos que estão no poder. Em outras palavras, nessa equação somam-se a classe politica no objetivo de preservar o status quo que agora finalmente passaram a fazer parte e não a população por definição excluída.

O povo

E enfim ele o povo. O povo essa massa que faz parte do mercado econômico e politico mas como mercadoria e não como negociante. Que demanda as coisa mais básicas e tem para oferta não mais que sua força de trabalho quase sempre braçal e sua alienação politica: com o voto, nos dois casos de forma obrigatória por necessidade e por lei.

O povo é sempre o fator determinante da equação. Porque se não deixa de ser massa de manobra nem todos os outros fatores somados são capazes de detê-lo. E até mesmo quando massa de manobra se manobrado errado pode arrebentar com tudo da mesma forma.

O povo apesar da revolta está deixando de ser uma incógnita para se tornar uma variável que oscilará entre a conformação com a pizza que está se desenhando ou a adesão a extremismo de direita que se apresentou primeiro como reação a criminalidade que explodiu (por sorte é claro) como bomba de fumaça para a classe corrupta. E a mesma classe que agora passou a ser vender habilmente como a solução autoritária. Se alguém duvida basta ver como as forças armadas foram recebidas como salvadoras da pátria no Espirito Santo.

Forças armadas

Se alguém de direita está esperando que as forças armadas deponham os corruptos. Não sonhem. Primeiro porque hoje elas são literalmente mais massa de manobra do que eram antes, e sua honestidade e bondade um mito ainda mais cretino que o da esquerda pura e que ama o povo. Mas não duvidem que se a desordem descambar de vez eles vão estar lá. Para enfiar todos os corruptos debaixo das asas, fabricar toda uma nova geração de corruptos biônicos e garantir a sua noção bem clara de liberdade e democracia. Aliás o simples fato de ter tão imbecilizada pela divisão ideológicas da sociedade ao ponto de defender ditaduras de e direita ou de esquerda é o sinal claro da dissolução do tecido social. A condição insalubre perfeita para proliferação de um ou outra vertente dessa doença autoritária e a morte das repúblicas.

O Esquema

É incrível, mas mais uma vez a estratégia do bode na sala e o dividir para conquistar parece estar funcionando. Eles disseminam disseminam o odio entre a população para depois conchavar alianças pela pacificação nacional, prevaricam para criam o problemas e depois vir como os vendedores das soluções. E não estou falando das forças armadas ou da policia, estou falando dos seus comandantes maiores que hoje não se enganem são civis.

Enquanto o ministro das revoltas dos presídios era nomeado ministro da Suprema Corte Brasileira explodia no Espirito Santo a revolta das policias militares e o envio das tropas do exercito para o Estado.

Para vocês terem uma ideia do que isso, imagine Trump mandando o exercito americano para conter a criminalidade em Nova Iorque, ou os protestos na Califórnia, depois fascistas são os americanos e bolivarianos são os venezuelanos. E são mesmo. Mas a gente consegue a proeza dupla de ter um governo fascista com corte bolivariana.

O Sistema

Por isso não tenham dúvidas a Lava-Jato pode até prender algum figurão do PT, pode até prender o Lula ou a Dilma, pegar algum cacique do PMDB, e um do PSDB, até para facilitar a vida dos outros capos. Mas o sistema o esquema permanecerá o mesmo. Seja com Temer, milicos no poder ou a esquerda petista e satélites. Reformas politicas haverão, mas serão de fachada, e as que forem verdadeiras serão cavalos de tróia. E nada absolutamente nada vai acontecer se a ordem internacional não for profundamente abalada. E nisto reside a minha esperança. Porque a ordem internacional já está sendo profundamente abalada e não existe equações perfeitamente fechadas. Outros eventos de fora, bons e ruins irão gerar novos fatores como a Lava-Jato para provocar mudanças radicais nessa estrutura arcaica brasileira e despertar o povo e as classes dominantes querendo ou não para o século XIX.
Outros fatores vão desestabilizar novamente essa estrutura pobre e falida e muito em breve, porque eles não percebem uma coisa a Lava-Jato não é fenômeno gerador de uma mudança, é o produto. É o fenômeno gerador dessa mudança não pode mais ser detido, não sem uma guerra entre os povos, porque liberdades conquistadas historicamente não se tomam, ao menos não sem por a perder e derrubar juntos toda as estruturas dos impérios e suas civilizações.

Futuro

O que os neoescravagistas brasileiros não perceberam é o neoescravagistas americanos também não, é a mesma coisa que seus ancestrais daqui e do sul dos estados unidos da America não conseguiram ver na ultima revolução industrial: esse sistema de produção por escravidão assalariada e alienação política está com os dias contados.

Não estou dizendo que irá surgir uma nova utopia socialista, ou que outras formas de exploração e alienação do trabalho não estão a se desenhar. Elas vão. Mas o Brasil para variar vai teimar com sua monarquia e escravagismo até ser o último dos últimos de novo. Ou então experimentar pela primeira vez, porque sempre há uma primeira vez, um revolução popular sangrenta. Tudo isso porque existe revolucionários ou banqueiros conspirando ou porque somos incapazes de efetuar reformas políticas e econômicas que estão gritando para serem feitas sem risco de transições violentas? Não não somos presas de águias, somos presas de abutres. Porque até para competir com esses outros predadores nesse cadeia internacional temos primeiro que deixar de ser presas domésticas fáceis.

Conclusão

Esses velhos malditos sugaram a vida dos nossos pais e agora querem sugar além da nossa a vida de quem nem nasceu ainda para se eternizar no poder dinastias de múmias faraônicas. Não tenho duvido que eles são capazes de tudo. São capazes de rasgar constituição, meter milico, até fazer midia para supremacista e fanático religioso. Eles podem e se deixarmos vão continuar fazer o diabo, e não tenho dúvida que vão conseguir adiar nosso futuro, atrasar de novo o Brasil, mas também sei que a história não para. E o velho, querendo ou não, sempre morre, porque o novo sempre vem.

Eu sei que vossas excelências em breve, colocarão se precisarem o Brasil em uma guerra para se manter no poder, mas vocês se enganam se pensam que essa guerra será de novo de classes, essa guerra será uma guerra de gerações. E guerra de gerações não são golpes, elas tem outro nome: se chamam REVOLUÇÃO.

Imagine, nunca haverá uma revolução no Brasil.

Deve ter sido mais ou menos isso que a aristocracia francesa pensava enquanto o reino se quebrava apoiando a revolução americana. Ou pelo menos o que a família real do Czar russo pensou a há exatos 100 anos atrás.

Nunca.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.