O que aprendi com os 2 anos da minha filha.

Aprendi a ter cuidado ao andar descalço na casa. A ligar o umidificador todas as noites. Aprendi que “rinosoro” é o ato de assoar o nariz. Aprendi que “te amo” não é uma frase, mas um movimento de cabeça. Aprendi que um abraço pode salvar um dia, um mês, um ano.

Aprendi que as palavras não servem pra muitas coisas quando se entende gestos. Que “humm” é tudo. Que todos os bichos de pelúcia são filhinhos e precisam de cuidado e atenção. Que “já volto” não existe. Que ensinar é coisa de bebê. Aprendi que bichos voadores são todos fascinantes. Que o jardim pode ser uma floresta encantada, cheia de fadas e duendes. Aprendi que acredito nisso.

Aprendi a ser eu mesmo, a voltar ao meu “eu” infantil e esquecer as dores e angústias da vida. Aprendi a me encantar com cores e barulhos, a procurar catarses no parquinho, em casa, no shopping, na vida. Aprendi a criar e ser criado, a cuidar e ser cuidado. Cafuné é tipo alimento.

Hum (Nina dizendo eu te amo)

Aprendi a dizer não, até pra mim mesmo, com voz forte mas não alta, sendo imperativo mas não agressivo. Aprendi a sorrir muito, independente da situação.

Aprendi a lidar com a vida como se a vida estivesse no começo, para aí sim, saber como guiar minha filha para o uma jornada melhor que a minha.

Acima de tudo, aprendi a amar incondicionalmente, enlouquecidamente, mordedoramente, abracadamente, todos os dias. E a acordar sabendo que posso trabalhar pra fazer do futuro da minha filha um presente melhor que o meu.