Carta aberta a todos os livros que eu nunca vou ler

Queridos livros,

Me perdoem.

Esta carta é para todos os livros que fizeram parte das listas de vestibulares e eu nunca dei uma chance, para todos aqueles que eu folheio na livraria sem nenhuma intenção de comprar. Para os livros que estavam nas listas que eu fazia durante a faculdade, vocês são os primeiros, é claro que durante os quatro anos de graduação eu fiz listas e listas com todas as indicações dos professores, vocês enchiam essas listas que eu tinha certeza que deveria guardar porque um dia os leria. Pois é, essas listas não existem mais e muitos de vocês já não estão em minha memória.

A todos os livros das listas de clássicos que precisam ser lidos, ou todos aqueles que eu tenho intenção de ler antes de serem adaptados para o cinema, sinto muito. Muitos dos livros que eu nunca vou ler chegaram a passar pela minha estante. Eu comprei e deixei guardados por meses, até anos, sem tocá-los, sem vontade alguma de passear por suas páginas ou mergulhar em suas histórias.

Para todos os livros que eu perdi ou emprestei e não peguei de volta, todos aqueles que ficaram anos na minha cabeça e eu sempre prometia que seriam lidos logo que eu terminasse o que estava lendo, peço desculpas. Para todos os escritores e escritoras que publicaram histórias emocionantes, prestigiadas e aclamadas por leitores mundo afora, mas nunca chegarão a fazer parte do meu repertório literário, é uma pena que não possamos nos conhecer.

Eu sinto muito se muitos de vocês foram negligenciados e postos de lado por livros piores ou releituras, mas eu confio que muitos outros leitores por aí os darão mais atenção que eu.

A todos os livros que eu fico animada para ler e logo esqueço, eu peço perdão, porque as vontades humanas são efêmeras assim mesmo. A todos aqueles títulos impressionantes de autores que fariam sucesso em uma conversa erudita, sinto muito, mas eu não ligo por não ter lido vocês, eu leio porque eu amo ser arrebatada por histórias e não para conversar sobre coisas subjetivas de maneira objetiva. A todos os livros que ainda vão ser lançados e escritos, eu espero ter uma chance de ler alguns de vocês pelo caminho.

A todos os títulos dos quais eu nunca nem ouvi falar, é uma lástima, mas a verdade é que mesmo que eu faça listas a vida toda e anote tudo o que um dia eu quero ler, nunca vai ser o bastante. E mesmo que eu viva mais de 100 anos e consiga ler 100 livros por ano, ainda assim vocês podem se estender por quilômetros e quilômetros de livros não lidos. Perdoem-me se nas minhas prateleiras não há lugar para vocês, mas essa é a maldição de todo leitor, a enorme lista de livros para ler que nunca será concluída.

Com amor, Maisa.