Saída do Reino Unido da União Europeia

Lagos, 24 de Junho de 2016

sobre Saída do Reino Unido da União Europeia

Ontem houve referendo no Reino Unido e 52,1% da população escolheu a saída da União Europeia, mas a área de Londres, a Irlanda do Norte e a Escócia escolheram maioritariamente ficarem na União Europeia. Ora aqui está uma bota difícil de descalçar!

O Reino Unido tem o Common Wealth há muitos anos e a sua experiência transmitida à União Europeia seria uma grande mais-valia; mas claro que, quem aconselha, não vai contra os seus próprios interesses; contudo há gente competente na União Europeia para fazer o necessário discernimento.

O Reino Unido é um dos principais países-dadores. Contribui para o PIB da União Europeia com cerca de 14% e recebe igual ou mais das várias fontes de receitas para os países-membros porque tem gente muito capaz. O que fez entornar o copo?

O Reino Unido já era um país sobrelotado de gente porque tem um bom sistema de segurança social e porque tem obrigação de receber quem queira vir lá morar do Common Wealth. Só que agora, com a obrigação de receber pela União Europeia também, foi demais. Qualquer espaço tem limites para receber e o Reino Unido também. Já lá no século XX, em psicologia, se descobriu que, a partir de determinado número de ratinhos numa caixa, eles começaram a comer-se uns aos outros: stress ambiental, falta de alimento, falta de espaço individual e para as suas crias, o seu futuro. Passaram a ser malvados? Não creio; é o instinto de sobrevivência!

Agora o Reino Unido vai readaptar-se à nova realidade e depressa estará a funcionar bem novamente.

Relativamente à União Europeia, o orçamento emagrece.

Há algo a ter em consideração: a União Europeia tem países-dadores e países-recebedores porque tem países com níveis de desenvolvimento e capacidade de desempenho das gentes de cada estado-membro muito desigual e tem um bom mecanismo de regulação. Os governantes e decisores dos países-recebedores, de mão estendida, julgam-se muito espertos porque teoricamente recebem dos estados-membros dadores. Este sistema foi criado para esbater as desigualdades aos vários níveis entre os estados-membros da União Europeia até chegar a uma situação em que todos contribuem e todos recebem.

Pois bem, porque há países de mão estendida? Porque, nesses países, se prima pela lei do domínio-sujeição, em que há um que pensa e tudo o resto são máquinas formatadas (homens e mulheres) para cumprir e arcar com as consequências desastrosas que surgirem. Quanto mais ignorantes, melhor: assim pensam os que dominam. E assim têm subsistido durante muitos séculos. Deste modo o quociente entre os rendimentos mais baixos e os rendimentos mais altos é enorme, a miséria é enorme, a impossibilidade de estudar abrange uma grande franja de gente e dizem-se democratas-cristãos, os decisores, não sendo nem democratas nem cristãos stricto senso.

Se a União Europeia não tivesse mais nenhum valor/importância e tem muitos, tem o de demonstrar àqueles decisores o quanto estão errados porque estão a compreender que não é: uns Estados pagam e outros Estados recebem; é sim os Estados com mais gente mais competente recebem mais. Portanto quem recebe mais? Quem tem gente mais competente; logo principalmente os estados-membros dadores. Os estados-membros recebedores também recebem e isso tem sido muito importante para eles, mas recebem muito menos do que está à sua disposição porque a sua gente é incompetente e agem segundo leis que vão contra a competência e contra o desenvolvimento harmonioso dos seus países. Então, numa primeira fase, ficaram muito contentes ‘ah, vamos receber tanto deles’; numa segunda fase, não cumpriram ‘vamos ter de devolver; não receber, … e os estados-membros dadores recebem mais… Grandes vigaristas!

Pois é, pois é: a ignorância e obediência para as gentes da submissão dão estes resultados… e eles afunilam ainda mais e dizem que a União Europeia não presta.

É muito importante chegar à fase de ‘todos contribuem de acordo com as suas possibilidades e todos recebem de acordo com as suas competências’, aplicando leis da social-democracia, do centro do espectro político — a verdadeira democracia-cristã — num desenvolvimento harmonioso de todo o território. Atenção à necessidade da existência de um IDEAL EUROPEU, pelo qual todos se devem pautar; sem isso a barca fica sem rumo.=

blogue Economia

Saída do Reino Unido da União Europeia

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.