Nem Frio, Nem Morno. Amor e Café Só Presta Se For Quente.

Um café frio não me satisfaz, muito menos um amor. Quando eu precisar de você, quero que esteja lá de corpo e alma, e não só pra marcar presença. Não sou obrigada a conviver com quem não me faz bem, nem com quem não quer estar do nosso lado.

Logo abaixo tem uma frase do livro que estou lendo no momento. Nunca vi uma comparação tão explicita dos nosso sentimentos.

“Quando nascemos, cada um de nós recebe um terreno. Você recebe um, eu recebo outro, assim com todas as pessoas. E, desde que não machuque ninguém, você pode fazer o que quiser com o seu terreno. Pode plantar árvores frutíferas, flores, filas de legumes e verduras em ordem alfabética ou plantar absolutamente nada. Esse terreno é cercado por uma grade com um portão e, se as pessoas começam a entrar e a sujar sua terra ou tentar convencê-lo a fazer o que elas julgam certo, você precisa pedir que elas saiam. E ela têm que sair porque o terreno é seu.” (Anne Lamott — Palavra Por Palavra).

Sou uma pessoa que levanta a bandeira do amor, vou até o fim se preciso for. Não acredito em quem desiste sem ao menos tentar. Isso pra mim é um amor fajuto. Se você ama de verdade pelo menos uma conversa sincera vai existir.

Mas a regra é clara - ame para ser amado. Não exija aquilo que nem você mesmo possa se dar. Reparar se você está fazendo sua parte é fundamental. Por outro lado, quando se ama, tudo acontece naturalmente. Ninguém faz o que não deveria estar sendo feito, passa a ser gratificante. Orgulho e relações amorosas não convivem no mesmo ambiente! Escolha o amor, ao invés do orgulho. Escolha a conversa ao invés da briga. Escolha amadurecer! Tenha os melhores frutos no seu terreno. Assim fica mais fácil viver.