O GRITO DE UM MUDO

“Não há solidão mais triste do que a do homem sem amizades. A falta de amigos faz com que o mundo pareça um deserto.” Francis Bacon

Eu não sou um escritor. Não sou um orador. Então não espere de mim palavras entregues com perfeita coesão, coerência e clareza. Mas pode esperar de mim: presença, atenção e amizade.

Não, eu não sou aquelas pessoas baladeiras, ou aquelas pessoas tão seguras de si que andam intocáveis de críticas, mas sempre com uma opinião sobre alguém supostamente inferior.

Não preciso de bebidas pra me perder em minha mente. Nem de uma multidão de pessoas no meu pé. Não gosto daquela série que todo mundo ama, na verdade nem a assisti, provavelmente. Nem tenho ídolo algum, seja cantou ou ator, pra mim é só uma pessoa revestida de um sucesso que pra mim não interessa e nem estou perto de ter.

Mas, por você, eu poderia abrir mão disso tudo. Esse meu medo de viver, de errar ficaria de lado. Mas eu preciso de você, e gostaria de saber que você precisa de mim. Isso seria egoísta? Dane — se!! De egoísmo o mundo tá cheio e ninguém fala nada, enquanto eu só quero alguém. Alguém pra chamar de amigo, alguém que vai pensar em mim quando quiser contar alguma história engraçada, ou trágica.

Essa não é uma declaração, porque também não sou desses. Não é um convite pras minhas redes sociais, nem uma combinação de palavras pra conseguir curtidas. Isso é um grito silencioso da alma, de alguém que odeia pessoas, mas que não quer ser sozinho.

Like what you read? Give Matheus Felipe a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.