Reduza gastos com plano de saúde sem prejudicar os funcionários

Medicinia
Medicinia
Nov 6, 2019 · 4 min read

Os gastos com saúde são uma pedra no sapato dos empresários brasileiros. Só entre 2013 e 2018, os custos com plano de saúde empresarial aumentaram 158,3%, segundo dados da ANS, IBGE, Banco Central/Focus, publicados no jornal Valor Econômico. Depois do salário, é para esta área que as companhias direcionam a maior parte de seus recursos.

Todo o cenário tem que ser avaliado com muito cuidado, diante de sua complexidade.

Os benefícios estão entre os fatores mais determinantes para a permanência de funcionários na empresa, revela o Great Place to Work (GPTW). Quem quer reter talentos, portanto — outro grande desafio das empresas — não pode simplesmente sair cortando benefícios nessa área pensando apenas em economizar.

Ainda segundo o GPTW, para uma empresa ser considerada um lugar desejado para se trabalhar e, assim, manter um time de alta performance, é preciso construir uma conexão genuína com o funcionário. Como? Confiança é o nome da mágica — tanto que a GPTW usa um indicador chamado de Trust Index — índice de confiança para aferir a saúde da relação empresa-colaborador.

Feita essa aproximação, a companhia tem muito mais chances de receber o melhor do funcionário, que passará a produzir mais e ajudará a manter um bom clima organizacional. E quanto mais gente feliz no trabalho, menos gastos com saúde.

Nos EUA, por exemplo, há pesquisas mostrando que 70% dos trabalhadores consideram seu local de trabalho uma fonte de estresse, enquanto que 51% deles admitiram que administrar esse estresse no trabalho joga a produtividade lá embaixo. E mais: os cuidados com a saúde resultantes do estresse custam às empresas norte-americanas 68 bilhões de dólares por ano, além de reduzir seu lucro em 10%.

Quais são as alternativas para reduzir os custos em saúde?

Não é novidade para ninguém que a saúde suplementar vive uma crise. Do jeito como é concebida hoje, alimenta um modelo de assistência fragmentado, com claros desperdícios ao longo de todo o sistema.

São pacientes perdidos que, por não saberem utilizar a rede de forma adequada, geram consultas e exames totalmente dispensáveis.

Não há um acompanhamento primário. O paciente vai sozinho percorrendo uma trilha meramente curativa.

Não lhe é dado protagonismo em relação à sua saúde.

O paciente não sabe atuar de forma preventiva e, muitas vezes, recebe prescrições que não são seguidas por não terem sido assimiladas ou pela impossibilidade de colocá-las em prática.

Estimativas do Instituto de Estudos de Saúde Suplementar (IESS) mostram que em 2017, quase R$ 28 bilhões dos gastos das operadoras de planos de saúde do Brasil com contas hospitalares e exames foram consumidos indevidamente por fraudes e desperdícios com procedimentos desnecessários. De 25 a 40% dos exames laboratoriais foram considerados desnecessários.

Essa conta não tem como fechar!

➡Vale conferir: Quiz: você sabe o que a gestão inteligente de saúde dos colaboradores pode fazer pela sua empresa? Acesse aqui: http://bit.ly/medicinia_quiz

Por outro lado, existe o aspecto urgente de garantir a sustentabilidade da empresa. Como suportar custos que não param de crescer?

A presidente da Aliança para a Saúde Populacional (ASAP), Ana Elisa Álvares Corrêa Siqueira, costuma destacar a importância de inserir empresas e usuários em um modelo mais inteligente de atendimento, no qual o paciente receberá cuidado personalizado e seu quadro será acompanhado de forma mais efetiva.

Nesta entrevista, ela é categórica: “A economia só acontece de fato quando existe um gerenciamento da saúde e uma mudança na forma como ela é vista. Nas empresas, não é possível reduzir essa conta com base em práticas de diminuição de custos já conhecidas”.

Não será hora de experimentar algo novo?

Nós contamos um de nossos cases neste whitepaper: até 56% na redução de idas de gestantes ao pronto atendimento por conta de um aplicativo desenvolvido em parceria com o São Cristóvão Saúde.

A ideia é simples e eficiente: montar um fluxo inteligente de informações para que o próprio paciente se sinta parte ativa no cuidado com a saúde. E essa lógica se aplica perfeitamente ao ambiente corporativo que busca implementar boas práticas de prevenção e monitoramente de saúde dos colaboradores.

Quer saber mais sobre como a sua empresa pode se beneficiar da tecnologia para combater o desafio dos altos gastos com plano de saúde?

Marque uma hora comigo, que explico.

Welcome to a place where words matter. On Medium, smart voices and original ideas take center stage - with no ads in sight. Watch
Follow all the topics you care about, and we’ll deliver the best stories for you to your homepage and inbox. Explore
Get unlimited access to the best stories on Medium — and support writers while you’re at it. Just $5/month. Upgrade