Eu lembro de todas as nossas piadas internas, os momentos bobos, as séries, os filmes, os beijos, os abraços, o apoio, a parceria, o teu cheirinho bom, o nosso raciocínio incrível para coisas inúteis.

Cara, tu me tirastes da lama. Tu acreditastes em mim mais do que eu mesma. Me destes amor, carinho, conchinha, conforto e felicidade.

Me ajudastes a melhorar um pouco a minha relação com os meus pais. Que nunca foi fácil. Contei para ti meus valiosos segredos.

Coisa que eu não conseguia falar direito nem para minha psicóloga, eu consegui infinitamente bem só com você. E graças a você.

Você cuidou inúmeras vezes de mim quando eu fazia tolice. Você fez eu me sentir tão segura.

Eu nunca fui uma “menina de namorar”. Eu era o que as pessoas chamavam pejorativamente de puta até um tempo desses. Cuidado, ela é cilada. Teu amigo te avisou. E eu mostrei o contrário.

Eu te amei e achei difícil conseguir me imaginar sem você por perto. Você foi parte da minha base.

Mas não acho justo te enganar. Não acho justo ver você se entregando plenamente e fazendo de tudo para me ver feliz enquanto eu não consigo mais me entregar da mesma maneira.

Me entreguei para você de corpo e alma há tempos. Foi lindo e único. Mas machucou para porra. Fui sofrendo tanto por ciúmes e futilidades e mesquinharias que você mesmo disseminava, e acabei fazendo exercícios mentais para não me importar.

Não consegui de primeira. Nem de segunda. Mas fui parando de me importar com algumas coisas que falavas. Fui dando menos importância a algumas datas. Fui me convencendo de que me sentia plenamente feliz sendo assim.

Acontece que na verdade eu sou uma puta, como as pessoas costumavam, e algumas ainda costumam dizer. Eu não quero ser sua. Eu não quero ser de ninguém. Eu quero ser minha.

A monogamia não gosta de mim. Ela faz eu me sentir suscetível e depositar toda minha confiança em outra pessoa, esquecendo meu verdadeiro eu.

Muitas cicatrizes ficaram. E nunca serei o que fui. Mas pelo menos aprendi. É só na dor que vemos o quão fortes podemos ser.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.