Fábrica

As lágrimas vêm aos olhos

Se enchem e se esvaziam
Se enchem e se esvaziam
Se enchem e se esvaziam

O peito apertado
O corpo cansado
A boca muda

Os sonhos
Que eram tantos
Se foram

As mãos não tocam a ninguém
Não têm mais essa função
Obedece-se o comando
Como num impulso
Como uma reação

E os olhos
Se enchem e se esvaziam.