Quando os últimos são os primeiros

Eles são os últimos

A conseguirem uma vaga de emprego

E são os primeiros

A serem apontados como ladrões pelos brancos dedos

Eles são os últimos

A entrarem na faculdade

E são os primeiros

A serem reprovados pela sociedade

Eles são os últimos

A terem acesso à cultura

E são os primeiros

A sofrerem com as ditaduras

Eles são os últimos

A terem suas casas

Mas são os primeiros

A serem expulsos

Logo cortam suas asas

Elas são as últimas

A serem ouvidas

E as primeiras

A serem constrangidas

Antes do galo cantar

Eles e elas pegam o primeiro trem

E os moradores das cidades-dormitório

São os últimos a dormir também.