Parque de diversões em Pijamarama

O melhor projeto gráfico de livro infantil que eu já vi passar.

Eu sempre fiquei com um pé atrás sobre comprar livros cheios de firula pra crianças, “porque o que importa é o conteúdo”. No entanto, me dei conta que, quando é pra mim, eu opto pelas versões bonitonas. Vira e mexe lembro de um livro que li — se não me falha a memória - na sexta série (sétimo ano) que tinha o caminho mais longo, médio e curto para chegar ao final da história. Achei e sigo achando isso muito legal e entendi que é nada a ver querer construir uma biblioteca cabeçuda, só cheia de conteúdo, pra alguém. Tem que ter de tudo.

Aproveitei uma promoção da COSACNAIFY e encomendei o Parque de diversões em Pijamarama, do Michael Leblond e Frédérique Bertrand. O livro foi o primeiro que abri e degustei, mas demorei 3 semanas para — de fato — ler a história. Eu pirei nos efeitos e as surpresas gráficas reservadas em cada página. É realmente surpreendente e nada previsível.

Na capa, vem encaixado um plástico preto listrado, que forma e dá movimento a uma roda gigante. É possível retirar esse plástico e passá-lo sobre outras páginas para descobrir labirintos, engrenagem e carrinhos de bate e bate. Mostrei pra todo mundo, recomendei pros amigos interessados nas artes visuais e só depois li a história.

Ó um vídeo, pra entender como funciona:

A narrativa gira acerca de um menino que vai a um parque de diversões ao dormir. Seu pijama listrado, uma analogia ao plástico preto listrado que faz os efeitos gráficos do livro, dá vida as atrações e seus movimentos.

Ombro-cinéma

A técnica se chama “ombro-cinéma”, devido ao nome de um brinquedo óptico, que foi moda no início do século XX. Tratava-se de um pequeno teatro de sombras (hora encontro que é chinês, hora japonês), formado por um rolo de papel que corria por trás de uma grelha impressa em uma tela esticada transparente, que permitia animar diferentes personagens apresentando, alternadamente, as duas etapas de um movimento.

A ilusão do movimento é provocada pela capacidade do nosso olho guardar na memória, durante uma fracção de segundo, uma imagem que acaba de desaparecer.

No youtube há um montão de outros vídeos com a mesma técnica e tutoriais para também criar em casa.

Essa não é a única aventura do menino. Há outras versões do personagem aventureiro em *Nova York, Luna Parque e com “Meus Robôs”.

*New York en Pyjamarama (2011), Moi en Pyjamarama (2012) e Mes Robots en Pyjamarama (2013)