O ciclo vicioso da auto-destruição

Bom, em primeiro lugar, quero dizer que esse não é um texto pra todo mundo. Algumas pessoas não vão se identificar ou vão achar idiota, mas pra algumas pessoas eu tenho certeza que vai ser uma leitura interessante, principalmente pra quem passou por um fim de relacionamento importante na vida. Pra essas pessoas, eu espero que possam se entender melhor daqui pra frente.


Mas vamos lá, recentemente muita gente veio falar comigo sobre fim de relacionamento, nesses últimos anos por algum motivo quando alguém terminava um namoro eventualmente eu ajudava a pessoa, mesmo quando eu não tinha ideia do que fazer, e não é como se eu fosse profissional nisso, eu faço por pura preocupação ao próximo, pois muitas vezes a pessoa só quer alguém pra ouvir ela, e não um conselheiro. Mas meu ponto não é esse, eu não quero falar sobre mim, eu quero tratar, mais especificamente, o período pós-relacionamento onde tudo é instável e a pessoa tende a sofrer uma metamorfose a cada minuto.

Acho que um dos maiores problemas de falar sobre relacionamento é que cada um teve o seu, cada um terminou de forma diferente, cada um viveu uma vida diferente, então deixei bem claro que meu texto é baseado tanto na minha quanto a experiência de pessoas próximas, então talvez você não vá se identificar mesmo. Aí é só ignorar, tem outros troféu.

Enfim, vamos começar com uma história, imagine 4 pessoas, A B C D

A pessoa A se relaciona com a B, o relacionamento dá errado, a pessoa B sai na pior porque a pessoa A fez algo errado, terminam. A pessoa A, que não ligou tanto, parte pra próxima e fica com a pessoa D, que acaba dando certo. Já a pessoa B, ficou danificada, ficou desestabilizada após ter sido iludida, mas ela não soube controlar e precisou saciar sua carência, acabou ficando com a pessoa C porque foi a primeira que lhe deu atenção. Eventualmente, o relacionamento não daria certo, pois a pessoa não está superando o trauma passado, está tentando o cobrir com outra pessoa, no fim das contas, a pessoa B acaba machucando a pessoa C sem perceber, e assim segue.

Um pouco confuso, mas isso é o que acontece diariamente por aí, após um término, algumas pessoas ficam tranquilas, até mesmo satisfeitas com o fim, outras não conseguem se controlar, e não percebem que estão se enfiando num ciclo onde a cada giro ela se machuca mais e mais, e não vai conseguir perceber isso. Sabe por quê? Porque vai chegar uma pessoa C, vai dar atenção, vai fisgar ela, seja proposital ou não, e a pessoa B não vai ter o mínimo discernimento pra perceber que aquilo já está fadado a dar errado, pois sua cabeça já não consegue raciocinar tão bem nesse momento de fraqueza.

Já viram aquele filme sobre com o moleque do sexto sentido que ele faz uma corrente de ajudar as pessoas? Onde você ajuda uma, ela ajuda outras, e assim vai. Então, um relacionamento mal acabado tem o efeito contrário: Uma pessoa machucada acaba machucando outras que machucam outras e vai seguindo eternamente.

Mas voltando ao título, o real problema dessa fase é quando se torna um ciclo onde você constantemente se sabota sem perceber. Sua forma de pensar está alterada, e você fica sujeito a seguir conselhos ou ter ideias que muito provavelmente seria contra em outra situação, eventualmente entrando em ciladas, relacionamentos que só te machucam, amizades se desfazendo do nada, a cada dia parece que o mundo te pressiona um pouquinho mais. E você tem culpa? Bom, de certa forma sim, é consequência de suas ações, mas não significa que mereça um julgamento, é só uma confusão temporária, algumas pessoas tem facilidade de passar por isso mas outras acabam ficando presas nesse limbo emocional, e sem uma ajuda externa algumas não conseguem ver a situação que se encontra, e algumas até mesmo entendem o que está acontecendo e só escolhem não ligar pois já não conseguem sair da zona de conforto que criaram. É preciso muita calma pra lidar com isso, e uma coisa você pode ter certeza: ninguém vai realmente te entender, ninguém vai chegar com uma solução mágica pra melhorar tudo, por mais que a pessoa tenha passado por uma situação semelhante, cada pessoa interage com os problemas de forma diferente, então a pessoa, já confusa, pode pirar de vez com tanta gente falando coisa diferente. Por isso as vezes é até bom dar uma sumida, focar em fazer coisas diferentes, parar de ouvir as pessoas um pouco, praticar um esporte, viajar, estudar mais, ver filmes, tudo que lhe faça fugir um pouco do mundo, ter seu próprio tempo. A pior coisa a se fazer nessa situação é, sem duvida, se forçar a substituir o amor perdido. Isso funciona de forma parecida com uma droga, você tá com uma carência emocional, e até mesmo química, e sente que a unica forma de melhorar é achando outra pessoa, mas isso nunca é o suficiente, você fica pulando de galho em galho mas chega num ponto onde já se cansou e após tanto esforço vê que não só está insatisfeito como no caminho magoou várias pessoas, vê que em diversos momentos deixou de ser você mesmo, se prendeu no ciclo, ou que até mesmo ficou muito tempo com a mesma pessoa por medo de estar sozinho, criando sua própria zona de conforto e se alojando ali, na esperança de um dia mudar. Mas, como qualquer droga, vai dar aquela euforia momentânea mas eventualmente terá contra-efeitos e você vai ficar pior do que antes, porém vai continuar, porque está preso ao ciclo. E sempre vai pensar que “na próxima” vai dar certo, que aprendeu com o erro, mas se você não percebeu que precisa reconstruir sua vida, e depende apenas de esperança, vai persistir errando e errando. Uma hora você vai aprender, claro, pode durar alguns meses, alguns anos, depende do quanto você estava preso no relacionamento e no quanto aprendeu com o fim. Mas o problema é o quanto você se destruiu nesse tempo, muita gente acaba passando por tanta coisa que por fim já não consegue mais relacionar de forma saudável, ou acaba se fechando completamente sem perceber.

Sabe uma frase que eu odeio? “Enquanto não acho a pessoa certa, me divirto com as erradas” Ok, ninguém REALMENTE diz isso hoje em dia, mas as pessoas agem assim, o problema disso não é realmente uma pessoa querer sair pegando todo mundo, se ela está ciente disso e fazendo porque é o que ela quer. Existem pessoas que gostam de viver assim, gostam de se envolver com várias pessoas, raramente se apegam, e conseguem controlar esse fluxo. Esse texto provavelmente não vai fazer muito sentido pra elas, como disse no início, meu foco é outro. E existem pessoas que enxergam relações afetivas como algo maior, que preferem um nível de intimidade mínimo pra pular pro próximo passo com alguém, e quando uma pessoa assim se força a “se divertir com as pessoas erradas”, ela não só acaba ficando mais confusa, gerando problemas e não sabendo lidar depois, como ela vai pouco a pouco perder a noção do que seria uma pessoa “certa”, e por pessoa certa não falo de alguém especial que nasceu só pra você, mas uma pessoa que você vai se sentir confortável e conseguir criar uma relação saudável, talvez muitas oportunidades tenham passado despercebidas porque você não estava numa condição de vê-la, e bom, isso acontece, com todo mundo. Então talvez você deva enxergar a si mesmo e pensar no que te faz mais feliz, qual tipo de pessoa você quer ser, e organizar suas ideias, não tem problema querer beijar todo mundo assim como não tem problema querer uma pessoa e firmar com ela, só precisa entender o que é melhor pra você e não ficar forçando seus limites.

Uma outra coisa que eu queria levantar o ponto, é que o amor não é uma guerra, você não precisa cair na fase de “joguinhos emocionais” com as pessoas ao seu redor, muita gente tenta suprir a falta de uma pessoa transformando isso num ódio, sim, não faz o menor sentido a principio, mas é mais fácil odiar alguém do que sofrer por ela, então vira aquele festival de indiretas, de tentativas de provocação, mostrar que estar melhor, que está superando, mesmo que seja uma máscara escondendo a dor, você só quer uma ponta de esperança que a pessoa demonstre estar afetada por isso. Mas no fim, quem se machuca mais é você, e se você não resolve isso, o tempo passa, a pessoa se distancia, mas você ainda vai sentir a necessidade de mostrar pra ela sua vida. Então evite isso, por mais difícil que seja, se resolva com as pessoas, livre sua consciência antes que isso te assombre depois.

Mas enfim, não espere uma conclusão que lhe mostre como superar esse ciclo, eu só quero apresentar a situação melhor para que cada pessoa se identifique e perceba o como suas ações podem acabar afetando negativamente seu emocional. Existem diversas formas de superar um relacionamento, e a única pessoa que vai te entender é você mesmo, dando a oportunidade, não tente ser o que você não é, não se relacione com outra pessoa que não está na mesma sintonia que você só porque está carente, não repasse o ciclo pra outra pessoa, se preciso, fique sozinho, passe um tempo com você mesmo, vai conhecer novos, fazer amigos, dar mais valor aos amigos atuais, converse com pessoas, conheça o mundo ao seu redor, você vai perceber seu valor com o tempo.