LEVEI O ALMADA PARA CASA

Um destes dias fui à Gulbenkian ver a exemplar exposição de Almada Negreiros e, por via das dúvidas, resolvi trazê-la para casa. Explico desde já que não roubei nenhuma obra, limitei-me a trazer o magnífico catálogo de “Uma Maneira de Ser Moderno”. São 420 páginas de informação, ensaios e, claro, boas reproduções das obras expostas. Gostei muito de “Uma Maneira de Ser Moderno”, de Mariana Pinto dos Santos (uma das curadoras da exposição), que enquadra de forma exemplar o trabalho de Almada na sua época. Destaque também poara “A coreografia das palavras”, de Fernando Cabral Martins e também “As viagens de Almada” de Sara Afonso Ferrreira. Ana Vascobcelos (a outra curadora) aborda o trabalho de encomenda que Almada foi fazendo ao longo do tempo e que proporcionou algumas das suas obras mais marcantes e conhecidas. E, finalmente, o imperdível “A forma de Almada:o século XX de Almada Negreiros”, de Luis Trindade, que sumariza uma época. A organização da reprodução das obras é exemplar, permitimndo compreender a evolução da criatividade, assim como a forma como Almada se entregou a diversos géneros e os interesses, fora das artes plásticas, que procurou acompanhar. Pelo meio há textos que contam pequenas histórias de algumas das obras, ou das circunstâncias em que foram feitas. É um catálogo imperdível e estou muito contente por ter assim trazido a exposição, para agora a ir podendo ver com calma em casa. A cronologia que encerra o livro, de Luis Miguel Gaspar, é uma visita à História de uma época, entre 1893 e 1970.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Manuel Falcão’s story.