Orgulho Nerd, mas pra quem?

Há um motivo de orgulho nesses anos todos nessa indústria vital?

Dia 25 de maio é o Dia da Toalha. Também é, graças à Star Wars, o Dia do Orgulho Nerd. E como mulher, eu digo: orgulho de que?

Como uma mulher que convive nos meios nerds desde a adolescência, talvez até antes disso (lembro-me de ter ganhado meu primeiro videogame aos 5 anos – o saudoso Master System 3 – e de frequentar a Gibiteca Municipal de Santos com meus 9, 10 anos), não vejo motivo de comemoração.

Ser nerd hoje em dia está em alta, mas quando eu era criança/adolescente, nós sofríamos muito com bullying, discriminação das outras pessoas e tal. Mas ser uma mulher nerd era ainda pior.

A comunidade nerd é, sem sombra de dúvida, uma das mais machistas que já vi. É como se fosse o Clube do Bolinha, e a cada vez que uma menina adentrasse, eles tinham que humilhar para expulsá-la. Se era nerd, não podia ser bonita. Se era bonita, nerd não poderia ser.

Quantas vezes eu não fui “testada” por machos que se achavam no direito? Que faziam perguntas cabeludas sobre meus filmes favoritos, afinal, como pode uma mulher gostar de Star Wars?

Coelhinho da Páscoa, que trazes pra mim?

Quantas vezes eu não fui vítima de assédio, como se minha intenção ao circular por esse ambiente fosse tão e somente arrumar um namorado?

Mas sabe o que é o pior? Toda mulher nerd coleciona causos assim. Perdemos as contas de quantas vezes nos julgam como “Maria Bits”, posers, e coisas do gênero. E se fosse gorda/feia, era pior ainda, pois além das abobrinhas de sempre, ainda tinham as piadas gordofobicas/os “elogios” à aparência.

It’s me! Mario!

Na verdade, até hoje, toda vez que falo que sou nerd, adoro ficção científica, games, tenho duas tatuagens de motivos nerds e escrevo sobre cinema, me olham esquisito. Tentam me desmoralizar, como se minha opinião valesse menos. Chegam ao ponto de “ignorar” o que eu falo para depois repetir para terceiros e levar todo o crédito.

E é por essas e outras que digo “não temos nada do que nos orgulhar”. Enquanto a sociedade nerd for esse antro machista, teremos esses problemas.

Nem vou começar a discutir a sexualização das personagens femininas, senão não paro mais.

Pra fechar, quero deixar apenas um número pra quem diz que são poucas as mulheres no meio nerd.

53% dos consumidores de games no Brasil são do sexo feminino. Durma pensando nisso.

Até logo e obrigada pelos peixes!

Foto por Beto Batatas. Contato: http://instagram.com/hojenaotevefeira