Quando vai ter esse evento em Salvador?
Leo Baiano
265

O problema básico é “cultura”.

Salvador não tem cultura tecnológica. Apenas festas lotam em SSA. O jeito é tentar fazer eventos tecnológicos dentro de raves. UÉ.

Outra maneira é tentar criar um ecossistema cultural de tecnologia. Nem uma empresa fomenta tecnologia em SSA. Apenas pequenas startups sem força alguma tenta fazer maré. Mas não vão conseguir.

A educação mediana publica, que é de onde vem a maioria do publico de tecnologia. Não ajuda. Gente de classe alta só sabe “usar”. Não há empreendedorismo na escola publica ou privada. Como vamos ter eventos de empreendedorismo se não se cria uma cultura empreendedora? Só vejo jovens se interessar por concursos públicos e ser funcionário de alguma empresa grande.

Sem falar que empreender em Salvador com o tema tecnologia é 10x mais impraticável que no sul do Brasil. Nós conseguiríamos, mas precisa de união. Amigos apoiando a ideia/startup do amigo. Procurar por startups baianas e torcer por elas. Pesquisar sobre economia, sobre mercado de startups e etc.

A palavra chave pra Salvador virar um centro de tecnologia é “Cultura” não basta desmatar a Paralela, por um prédio e chamar de “centro tecnológico”. Se as escolas não formam jovens interessados por fazer tecnologia acontecer, apenas “consumidores funcionários medianos”. Nunca vai pra frente.

E não adianta ficar culpando a população. Ela é refém disso tudo. Visitem a Jusbrasil ali perto do Salvador Shopping, procurem saber como funciona a “Rede + de Coworking”, procurem pela Tropos e tentem entender esses caras. Visitem os caras do Sebrae, eles tão muito interessados no tema “Startups” e percebi que eles estão bem carentes de informação.

Precisamos unir forças. Parar de apontar dedos pras pessoas. O problema é o sistema e só resolvemos isso com atitudes proativas e mão na massa. Não precisa por rios de dinheiro. Basta persistir e cobrar dos nosso empregados estatais, os políticos.

Qualquer coisa, se tiverem interesse. Me procurem: Michelconrado@cryptoengage.com.br

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.