Não tema o novo. Renovar às vezes é preciso!

Eu atuava na Área de Telecom havia muitos anos e estava já cansada e desgastada pelos problemas da área e pelos desafios que, pelo conhecimento e experiência adquiridos, já não mais existiam.

Muitos anos executando as mesmas tarefas foi minando também a vontade de inovar e consequentemente, a possibilidade de aumentar renda também se estagnou.

A situação era triste e muito tensa…imaginem…falta de vontade, renda estagnada, idade na casa dos 40 anos…muitas dúvidas e receios surgiam a cada instante.

Até que um dia, eu e meu sócio, resolvemos dar um basta, colocamos o medo de lado, e começamos a buscar alternativas de área para atuarmos e nessas buscas encontrei o marketing digital.

Pesquisei muito sobre o assunto, sobre as possibilidades de trabalho na área e, principalmente, sobre o impacto nas vidas dos consumidores, o qual considero positivo, pois além de ofertar produtos, oferta valor e educação.

Descobri também que o marketing digital está de acordo com minha missão profissional que é ouvir o cliente, criar empatia, perguntar e descobrir o que é importante para ele.

Definida a área em que eu queria atuar comecei a ler muitos materiais instrutivos sobre o assunto, no entanto faltava a profissionalização, faltava deixar a especulação e passar para a fase de levar a sério, portanto restava agora procurar as melhores escolas e os melhores cursos para que eu pudesse aprender de forma correta e consistente.

Através de uma publicação no Facebook tive conhecimento do Programa Nanodegree de Marketing Digital em português e após ler o conteúdo e sobre a Udacity, tive a certeza que era este curso que eu procurava.

Matrícula feita…motivação renovada…curso em andamento…certeza da escolha.

Aprendi pelo menos duas coisas nesta história, a primeira é que a vida é mesmo muito irônica, pois por causa do marketing digital, mais especificamente da postagem no Facebook, concluí que a Udacity fez muito bem a lição de casa e eu encontrei o que procurava e a segunda que é possível começar do zero em qualquer fase da vida.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.