Geração Toddynho no mundo da programação?
Leo Cavalcante
307

Concordo cara!

O que nos atrasa é o ‘desenvolvimento lateral’ - a reescrita da mesma coisa com poucas mudanças mas com um nome novo, obedecendo aos nossos tabus, práticas, paradigmas e gostos.

Para que o nosso ‘universo’ possa se desenvolver e criemos novas coisas, precisamos de criações disruptivas, que quebrem esses velhos tabus. Se uma criação sobrevive aos testes, provando ser uma boa solução para o problema que motivou sua criação, é ganho para todos. Afinal de contas, ‘brincamos’ com ciência, certo?

Eu realmente não gosto de ver toneladas de CSS e HTML no meio do Javascript (sim, não curto React), mas posso estar completamente errado. React pode não ser o ‘produto final’ dessa nova visão mas apenas um ‘passo’ e sabe-se lá que portas e ideias surgirão simplesmente pelo fato dele ter sido criado e tido contato com muitos desenvolvedores.

A quantidade criações surgindo recentemente realmente é grande e isso é ótimo. Acredito que não precisemos almejar ter conhecimento profundo em todas mas entender qual o problema que estas se propõe a resolver - com isso, quando o problema surgir, saberemos quais ferramentas temos disponíveis.

Fecho com o que eu considero ser a falácia do Toddynho: alguns programadores pulam a etapa de ‘do it yourself’ e aprendem diretamente um framework, nunca considerando a possibilidade de não utiliza-lo - o framework vira linguagem de programação e nunca há o questionamento ‘esta ferramenta se adequa soluciona o meu problema?’. Nasce o sistema em que marretaram os parafusos.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Miguel Fontes’s story.