Estou sentado na sanita para cagar!

Vou cagar ou não vou cagar. Sinceramente apeteceu-me sentar na sanita para ver se tinha vontade de libertar um valente cagalhão.

Hoje quero que o dia seja diferente. O que posso eu fazer para o dia ser diferente? Calçar umas meias diferentes? Ir a um sítio que nunca fui, fazer o pino, comer algo que ainda não comi?

Peidei-me agora! E vai vir um cagalhão! Se pensar nesta situação que é cagar, isto humaniza qualquer ser humano. Todos cagamos um ou outro dia. Cagar torna-nos humanos. Todos cagamos. E como somos nós próprios e somos felizes quando cagamos. Isto torna-nos todos iguais. Em 7 biliões de pessoas todas cagam, umas mais outras menos, mas todos cagamos, umas mais duro outras mais fino, mas todos cagamos, umas mais amarelo, outras mais escuro, mas todos cagamos, umas mais vezes outras menos, mas todos cagamos. Cagar é um acto de liberdade, é aquele momento em que percebemos que somos animais que cagam. Quando estamos a cagar não somos mais do que meros animais a fazer algo tão natural como cagar. E que bonito cagalhão saiu de mim. Obrigado por este corpo que caga.

Obrigado

E peço desculpa às pessoas mais sensíveis

Miguel Novais