#meuprimeiroemprego

…foi numa empresa de Engenharia Eletrônica em frente à minha casa. Eram apenas 5 passos pra chegar até lá, mas a vontade era tanta que eu demorava cerca de 2 horas pra trocar de perna.

Eu tinha 17 anos e meu pai sempre quis que tivesse meu próprio dinheiro, por isso falou com o pessoal lá e eles me aceitaram como estagiário.

Meu incrível salário era de duzentos reais para trabalhar somente à tarde. De tanto olhar as letrinhas minúsculas e registrá-las no Excel, meu grau ocular subiu de 1 para 2 em cada olho. Mas isso foi o de menos, porque o que nunca entendia era que danado eu estava fazendo naquele ambiente nada a ver comigo.

Em poucos dias de trabalho conheci um brother que me apresentou ao Pro Evolution Soccer no computador, com gráficos bem melhores do que no Playstation 1. Foi amor à primeira vista pelo game e justamente esse amor me demitiu uma semana após estarmos em lua de mel.

Jogava uma partida online acirradíssima, vencendo, quando a conexão caiu de repente. Me levantei da cadeira furioso e fui na outra sala tomar satisfações com meu adversário. Só porque estava perdendo começou a pipocar?! Ahh, mas ele ia ver só uma coisa…

Quando entro e digo “Que porra foi essa, bicho?! Sacanagem!”, meu chefe está bem atrás da porta com aquela cara de te peguei no flagra.

Fui demitido no mesmo dia e meu adversário não, porque quando dois não jogam um não ganha. Mentira, ele era muito mais competente e importante para empresa do que eu.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.