Reflexões de um dia cinzento

Há cada dia que se passa tem sido mais difícil ignorar a forma que venho perdendo o interesse por aqueles que me cercam. Pode ser que pareça arrogante, ou até mesmo pretensioso, mas as pessoas me parecem estar perdendo suas cores.

As palavras que dizem, suas roupas, seus ideais, estão se transformando em nada mais que um personagem. A vida passou a ser um teatro, o papel que é mais vantajoso no momento é escolhido, e então interpretado, estamos perdendo o dom de simplesmente ser.

Todos os atos tem se tornado pensados, é uma vida programada para parecer espontânea, onde nos apegamos ao nosso próprio desapego e passamos a defender uma identidade que nem mesmo nos pertence.

Eu ando pelas ruas da cidade, eu conheço pessoas, mas nenhuma delas profundamente. São todas iguais, apenas seus corpos mudam, às vezes nem isso!

Todos carregam em si a mesma ansiedade para viver a vida de que se convenceram valer a pena, inclusive eu.