Boaz e Ruth, pintura de James Faed, 1821–1911.

BOOZ OU BOAZ?
Rodrigo Peñaloza,
ARLS Abrigo do Cedro N. 8, jurisdicionada à GLMDF
1/4 de hora em 06/05/2015

Nas Lojas brasileiras muito se confunde quanto à forma correta do nome Boaz, uns dizendo Booz, outros Boaz. Neste texto, eu procuro mostrar duas coisas. Primeiro, que o correto é Boaz, o que, aliás, é trivial, pois, para tanto basta observar a pronúncia hebraica. Em segundo lugar — e principalmente — , eu procuro dar uma explicação sobre o porquê de os tradutores antigos, ao escreverem a Septuaginta e a Vulgata, optaram pela transliteração incorreta do nome.

O termo Boaz aparece 18 vezes no Livro de Ruth, 3 vezes nas Crônicas, 1 vez em 1 Reis, 1 vez em Mateus e 1 em Lucas.

Na edição maçônica norte-americana da Bíblia Sagrada (Heirloom Bible Publishers, Kansas), o termo é Boaz. Na Encyclopedia of Freemasonry, de Albert Mackey (1917), é Boaz. Em Light on Masonry, de Elder D. Bernard (1828), é Boaz. O Manual of Freemasonry, de Richard Carlile (uma exposée da Maçonaria publicada aos poucos na revista The Republican, em 1825), é Boaz. No The Complete Ritual of the Scottish Rite Profuselly Illustrated, editado por um Soberano Grande Comendador (anônimo), 33o, e complementado por J. Blanchard, no século XIX (sem data), é Boaz. Em Morals and Dogma, de Albert Pike (1871), é Boaz.

Em todas as obras antigas, enfim, o termo é Boaz. Isso não nos surpreende, se observarmos que na escrita hebraica massorética, o que temos é בֹּ֫עַז (Bṓʿaz) e que, além disso, não existem vogais repetidas no Hebraico, de modo que Booz é uma pronúncia incorreta. Nos tempos modernos, o Irmão Harry Carr, em seu artigo “Pillars and globes, columns and candlesticks”, publicado em Ars Quatuor Coronatorum, Transactions of the Quatuor Coronati Lodge №2076 London, em 2001, e apresentado antes na Vancouver Lodge of Education and Research, em 20 novembro de 1998, é Boaz. Nesse artigo, Harry Carr reproduz alguns trechos de exposées publicadas entre 1760 e 1765, nos quais o termo é Boaz.

Por que, então, alguns autores nacionais insistem que o correto é Booz ou, quando muito, que tanto pode ser Booz quanto Boaz? Há duas razões para esse erro. O primeiro deles — e mais óbvio — é o desconhecimento do Hebraico. Em geral o argumento usado é que na escrita hebraica antiga não existiam vogais até o surgimento dos sinais massoréticos (século X), o que, segundo eles, justificaria qualquer pronúncia. Porém, não atentam para o fato de o Hebraico não admitir vogais repetidas, o que prontamente elimina Booz, de modo que, neste caso, a suposta ambivalência não existe.

A segunda razão está nas traduções portuguesas da Vulgata. De fato, na Vulgata o termo é Booz. Se São Jerônimo (347–420 d.C.) traduziu o Antigo Testamento diretamente do Hebraico para o Latim, por que optou por Booz e não Boaz? Só vejo duas explicações. Primeiro, em sua época, ainda não existiam os sinais massoréticos, que indicam as vogais. Somente alguém absolutamente fluente em Hebraico poderia ler corretamente o texto hebraico. São Jerônimo, porém, era ilírio e só aprendeu Latim e Grego no início de sua vida adulta. Quando maduro, mudou-se para Jerusalém para estudar Hebraico. É bem provável que, diante de uma dúvida, consultasse a Septuaginta, a versão grega da Bíblia, que também traz Booz (Βοος, que deve ser lido como Βοός, pois não é possível, por razões morfológicas, dizer Βόος em Grego).

Nessa série encadeada de porquês, surge mais um. Por que a Septuaginta traz Booz e não Boaz? Por uma razão muito simples. Boaz é nome próprio e é oxítono. Em Grego, um nome próprio masculino pode terminar em –ας, como ὁ Ξανθίας (cuja pronúncia é ksanthías, donde veio o nosso Xântias), mas não pode jamais ser oxítona. O mesmo ocorre com os substantivos terminados em –ας, como ὁ νεανίας (o jovem), que não podem ser oxítonos. Por outro lado, substantivos terminados em –ος podem ser oxítonos, como θεόϛ (theós, pronuncie the-ós, com o th ligeiramente aspirado).

Dessa forma, os sábios que verteram a Bíblia para o Grego podem ter optado por Booz (Βοός) em vez de Boaz apenas para preservação do acento tônico na última sílaba, uma exigência natural se a intenção era não desvirtuar demais a pronúncia de um nome próprio e fazê-lo ser entendido pelo leitor ou ouvinte grego. Em outras palavras, se a intenção era fazer a história bíblica minimamente inteligível ao grego, os tradutores tinham de resolver a seguinte questão: ou preservavam a grafia BOAZ mas trocavam o acento tônico da última para a penúltima sílaba (ou seja, Bóaz) ou trocavam Boáz para Boós e preservavam a oxítona. O nome Boáz, oxítono, soaria muito estranho ao ouvido grego, mas não Boóz e tampouco Bóaz. O que é mais próximo de Boáz: Bóaz ou Boóz? Eles julgaram que era Boóz. Dessa forma, São Jerônimo, mesmo que estivesse ciente da correta pronúncia hebraica, pode ter optado por Booz por influência da Septuaginta, tendo preferido, sabiamente, manter uma coerência entre a versão latina e a versão grega já estabelecida há séculos.

Os autores maçônicos antigos devem ter sabido disso, pois todos, no mínimo, eram fluentes em Latim, com boas noções de Grego e alguns até de Hebraico, além de, sendo em sua maioria protestantes, terem em mãos a versão protestante da Bíblia, que, ao contrário da Vulgata, trazia Boaz, graças ao gênio de Lutero. Textos não-maçônicos também trazem Boaz, como Historiarum Totius Mundi Epitome, seção 16, de Cluverius Johannes, de 1667.

Conclui-se, assim, que a pronúncia correta é Boaz e que, além disso, Booz é apenas a herança de uma característica fonética do idioma Grego, que herdamos por intermédio da Vulgata. A opção pelo aparente erro fonético se deve à perspicácia dos antigos tradutores, convictos que estavam de tornar esse e outros nomes hebraicos inteligíveis aos ouvidos gregos, sem prejuízo do significado mais profundo das histórias que traduziam.

_______________________
Links to other writings:

Economics and Classics
* A República Romana e os instrumentos de crédito
* On the notion of wrong decision in the Greek tragedy: the epistemic rôle of uncertainty, risk and ignorance
* O mercado de escravos em Roma e o problema da seleção adversa
* The Roman slave market and the problem of adverse selection
* Publicani: coleta de impostos e moral hazard em Roma
* O bolsa-família do Império Romano
* Entre a insciência e a literatura
* On the Greek origins of the idea of spontaneous order versus deliberate order
* Cícero sobre o Estado e os direitos de propriedade
* Tacendo cavillamur cives: ou Columella sobre a má gestão econômica
* Existe preço justo?
* A liberalidade de Augusto e o preço da moeda em Roma

“Microeconomia em doses” series:
* Microeconomia em doses: curva de oferta
* Microeconomia em doses: custo de eficiência
* Microeconomia em doses: custo de eficiência do subsídio
* Microeconomia em doses: custo de eficiência de tarifas de importação
* Microeconomia em doses: depreciação e obsolescência
* Microeconomia em doses: curto-prazo versus longo-prazo
* Microeconomia em doses: custo de oportunidade
* Microeconomia em doses: obsolescência programada
* Microeconomia em doses: valor de Shapley
* Microeconomia em doses: teorema de Allen-Alchian
* Microeconomia em doses: bens de Giffen
* Microeconomia em doses: retornos marginais decrescentes
* Microeconomia em doses: preços versus custos
* Microeconomia em doses: elasticidade-preço
* Microeconomia em doses: formação de preços
* Microeconomia em doses: competição perfeita
* Microeconomia em doses: filantropia
* Microeconomia em doses: homo oeconomicus
* Microeconomia em doses: consistência e racionalidade
* Microeconomia em doses: renda da terra e déficit habitacional
* Microeconomia em doses: peak-load pricing
* Microeconomia em doses: a condição ceteris paribus

Economics and doxa 
*
Competição perfeita: o que é isso?
* Reflexões microeconômicas sobre a discriminação de gênero no mercado de trabalho
* Do salário mínimo como critério de comparação entre governos
* Externalidades e o teorema de Coase
* Da confusão entre substituição e bens substitutos
* Custo de eficiência do imposto de renda
* Tarifas de pedágio pelo valor de Shapley
* A tarifa média das passagens aéreas aumentou e isso não quer dizer absolutamente nada
* Maximizando o lucro
* There is no such thing as a free coffee 
* Microeconomia contra a Lei Pelé
* Como desenhar contratos sob seleção adversa
* Overbooking: contratos de opção para um problema de hold-up
* Microcredit: a Bosnian tragedy
* FIES: quando vale a pena? (No blog do EconomistaX)
* Reinterpretando o índice de Gini
* Marshall e Walras sobre lucro zero
* O pobre gosta menos de educação do que o rico?
* The top 10 Economics books of the past century: what is the problem?
* Reflexões sobre o lucro segundo Schumpeter, Clark, Knight e Kirzner
* Microeconomia da variação da renda nacional
* Jevons on clearing houses
* O decálogo de Mankiw e a tétrada da Economia
* Teoria dos jogos versus estatística
* “Res perit domino” ou “codex civile est nobis dolori” ou ainda: do Direito ineficiente 
* O paradoxo do voto
* A mecânica democrática da rejeição ao governo do PT: majoritarimente eleito mas rejeitado pela maioria
* Se o candidato eleito renunciar, quem assume?
* If the elected candidate resigns, who should take office?
* Irrationality cannot persist forever
* A irracionalidade que observamos existe mesmo ou é só uma ilusão?
* Gabriel Biel sobre o monopólio e o valor da moeda
* Francis Bacon sobre os juros
* Eleições 2018: dilema dos prisioneiros ou falha de coordenação? (junto com Sérgio Almeida, USP)

Philosophical thoughts
* Mathematics and humanities: a view towards classical education
* The deteleologization of Joseph McMill
* O princípio platônico e o livre-arbítrio
* A firmeza de caráter do romano
* Russel’s paradox and Greek ontology
* Minha interpretação da carta de Paulo aos romanos 12:19
* A evolução helicoidal da alma segundo Dionísio Pseudo-Areopagita
* On the rationality of the Golden Rule or: why Eve should not be blamed alone for the fall
* A fine example of true irony: Friedrich Hayek on constructivist rationalism
* On the concept of soul among the Greeks
* O paradoxo da nave de Teseu
* On Thoreau’s Essay on Walking
* Cícero, Sêneca e a amizade
* Cicero, Seneca and friendship
* O humor de Cícero
* E a esperança venceu o medo 
* Caridade
* Perfectio
* The ontological necessity of soul according to Marsilio Ficino
* Da nobreza de trabalhar pelo social (?)
* Our indo-european way of thinking
* On the Greek words for love
* O Grego, a civilização ocidental e a invasão dos bárbaros
* “Religioso”: Santo Agostinho versus Cícero

Writings in Latin and Classical Greek
* Dilemma captivorum
* Ad bestias
* ῥώμα
* Gesta factionum operariorum in Terra Brasilis
* Quis?
* Pro Christo
* Insula Itamaracá
* De metaphoris bellicis in medicina graeca
* De malo iudicio in tragoedia graeca: quae sint personae gerendae ab alea et ignorantia?
* De consolamento more catharorum
* De caelo sive certus et exquisitus modus intellegendi omnes res, non solum mundi sed etiam hominum
* Fabella sepulcralis
* De chao apud veteros graecos
* A symbolis aegiptiis usque ad veritatem
* De iactu nucleoli
* De aequalitate
* De monade
* Epistula
* Bellum iaponicum
* De trivio
* De paradoxo russeliano et ontologia graeca
* De censura in Re Publica Romana
* εἲς μούσαν τῆς χρωμογραφίας
* περì τῆς ἐκλείψεως
* ‘Η ‘ΕΛΛΑΣ ΤΟ ΚΑΤΟΠΤΡΟΝ ΤΟ ΣΕΑΥΤΟΥ
* De coloribus verborum
* Cur viris liberalibus sit incohaerens capitis praedicare poenam
* Quid accidit Aristoteli Americoque Castro, philologo hispanico, nuper in Paradiso
* Iustitia
* Utinam
* El Chapo
* De via caritatis
* Lallum ad filiolos meos

Miscelany
* Egregora
* Rituais de sacrifício animal na Antiguidade
* A política, os escândalos e os bois
* Suetônio sobre Calígula: a calvo ad calvum
* Suetônio sobre Tibério
* Solecismo
* Gnose, silêncio e regeneração
* A arte da adivinhação
* Os nomes romanos
* Sombra e Jung
* Terra Brasilis
* Martyrologium
* A conundrum about Proto-Indo-European
* Olhos azuis
* Mal de bem-querer
* Maybe
* Solstice of june
* Encômio para um congressista
* Avarice
* On Cipolla’s law of stupidity
* Hortus Deliciarum: Herralda on the myth of Adam and Eve
* Sobre a exposição do Santander
* Serápis convida para a ceia
* A operação ΑΛΗΘΕΙΑ da Polícia Federal
* Do boato
* Ut pictura poesis
* Poema pátrio deste meu Brasil pelas efemérides do sétimo setembrino
* Do not throw your stones on me
* Ostia
* Memento mori
* Grecia, espejo del alma. Alma, espejo de Grecia
* Cordi amanti
* Sphinx
* O paradoxo da nave de Teseu
* Terra Brasilis
* A alquimia de Paracelso
* Sobre o discurso de Haddad
* Sargent Hollenbach
* Mercúrio ou prata viva
* O magistrado versus o super-ministro